pastillas

O fármaco de referência deste grupo é a clozapina. Este medicamento havia sido inicialmente introduzido como neuroléptico, e mais tarde retirado dos mercados por problemas de toxicidade hematológica. Ulteriormente foi “redescoberto” como um fármaco de características inovadoras, que pela primeira vez parecia facultar uma potente acção antipsicótica na ausência de efeitos extrapiramidais e endocrinológicos. A identificação deste perfil abriu caminho a uma linha de investigação que se revelou frutuosa, com a introdução de outros compostos com um perfil idêntico ou próximo. Presentemente, no nosso país, estão disponíveis a olanzapina, a quetiapina e a a ziprazidona. A risperidona é habitualmente incluída no mesmo grupo, embora com este medicamento possam ocorrer, em relação com a dose, os clássicos efeitos extrapiramidais e endocrinológicos.
Importa ter presente que estes novos antipsicóticos, ao invés do que sucede com os clássicos neurolépticos, constituem um grupo química e farmacologicamente heterogéneo, para além de diferenças assinaláveis em relação às suas efectivas propriedades terapêuticas. Mais uma vez, a questão das doses úteis não está devidamente esclarecida, verificando-se, por exemplo, a proposta de utilização de doses cada vez mais elevadas se se pretende obter um verdadeiro efeito antipsicótico (por exemplo, em relação à olanzapina e à quetiapina). Em simultâneo, assiste-se a uma utilização, muitas vezes off label, destes medicamentos em doses deliberadamente baixas, para retirar vantagem terapêutica de acções colaterais, como é exemplificado pela utilização da olanzapina e da quetiapina como fármacos sedativos e/ou facilitadores do sono, para tratamento da insónia.
Um aspecto farmacológico particular da ziprazidona, aparentemente pouco conhecido ou tido em conta, é o facto de, em doses ligeiras ou moderadas, ter um comportamento SSRI-like (antidepressivo mas nessa medida susceptível de agravar a sintomatologia psicótica), só sendo possível obter uma efectiva acção antipsicótica com doses mais elevadas.
Mais recentemente ficou disponível um novo antipsicótico, cujo perfil farmacológico é inovador em relação à geração de novos antipsicóticos atrás referida. Trata-se do aripripazol, que além de partilhar com os seus antecessores acções sobre o sistema serotoninérgico (daí a sua classificação como SDA, isto é, antagonistas dos receptores da dopamina e da serotonia), se distingue, entre outros aspectos, por uma acção modulatória sobre os receptores dopaminérgicos. É um medicamento com acção antipsicótica bem documentada – para além de um “racional” teoricamente interessante – mas não desprovido dos tradicionais efeitos extrapiramidais.
De vários pontos de vista, o aripiprazol parece ser o primeiro membro de uma 2.ª geração dos novos antipsicóticos. Não só pelo já referido perfil farmacodinâmico próprio, mas também por virtualmente não estar associado ao risco elevado de toxicidade metabólica (dislipidemia, hipercolesterolemias, resistência à insulina, diabetes tipo 2, aumento ponderal; eventual hipertensão) que é um traço partilhado (embora com taxas de risco diversas) aos anteriores novos antipsicóticos.
Importa ainda destacar que a boa tolerabilidade dos novos antipsicóticos facilita a sua utilização num campo mais alargado de indicações. É certo que os clássicos neurolépticos eram – e são – utilizados não apenas no tratamento da esquizofrenia, mas também numa larga variedade de síndromes psicóticas, em quadros de agitação psicomotora de etiologia diversa.
Em particular, com os novos antipsicóticos há dados que demonstram a sua utilidade na doença bipolar ou doença maníaco-depressiva, quer como antimaníacos, quer como tratamento a longo prazo com intuito estabilizador, eventualmente em associação com estabilizadores convencionais. Sucessivamente, estes fármacos têm visto oficialmente aprovadas estas indicações pelas agências do medicamento.

Algumas Etiquetas


cirurgia de hemorroida,cricotomia,herpes génital,fissura anal,radioterapia,trinitrato de glicerina,urticaria,leucocitos 14000,meralgia parestésica,cirurgia de hemorroidas.

Tambem podera gostar -