30-5-2012-9-36-23crianca-cancer
Avaliação de resposta e sobrevivência

Num doente submetido a uma terapêutica de intenção curativa (por exemplo, cirurgia), o parâmetro de eficácia é o tempo de sobrevivência – o tempo que decorre entre o final da intervenção terapêutica e a morte do doente; por vezes pode também interessar conhecer a sobrevivência livre de recorrência – o intervalo de tempo que decorre entre o final da intervenção terapêutica e a recidiva da doença. Igualmente importante é a avaliação de eventuais sequelas da(s) terapêutica(s) instituída(s).
Já na doença metastática, a avaliação da resposta à terapêutica (habitualmente consistindo na terapêutica citotóxica) inclui outros parâmetros de eficácia. Também nesta situação dever-se-ão ter em conta as toxicidades ocorridas, bem como as implicações sobre a qualidade de vida (QoL, quality of life) – para estas alterações existem escalas que permitem quantificar as alterações verificadas.
Na doença metastática é habitual classificar as repostas à terapêutica da seguinte forma:
—> Resposta completa – desaparecimento de toda a doença conhecida.
—> Resposta parcial – redução em mais de 50% da doença conhecida.
—> Doença estável – redução ou aumento da doença inferior a 10% (segundo alguns critérios até 25%).
—> Progressão da doença – aumento da doença superior a 25%.
Habitualmente, a avaliação da resposta é feita com base em exames de imagem e documentando as variações das dimensões do tumor ou das metástases; ao longo dos anos tem havido evolução nos critérios utilizados (o que medir, como medir e como definir a resposta), sendo actualmente seguidos os critérios RECIST {response evaluation criteria in solid tumors).
Na sequência da avaliação dimensional da resposta estabelecem-se em seguida outros parâmetros;
—> Tempo livre de recorrência (DFS – disease free survival) – definido como o tempo que decorre entre a resposta completa e a recidiva da doença.
—> Tempo livre de progressão (PFS – progression free survival) o tempo que decorre entre a resposta verificada (completa, parcial ou estável) e a documentação de progressão da doença.
A sobrevivência global consiste no intervalo de tempo que decorre entre uma intervenção (terapêutica ou diagnostica) e a morte; pode ser expressa na prática como a mediana de sobrevivência ou sobrevivência a 5 anos.
O registo de todos estes índices é importante quer na avaliação e decisão terapêutica de cada doente considerado individualmente quer no contexto de ensaios clínicos em que se procura avaliar a utilidade de determinada intervenção terapêutica.

Algumas Etiquetas


cirurgia de hemorroida,cricotomia,herpes génital,fissura anal,radioterapia,trinitrato de glicerina,urticaria,leucocitos 14000,meralgia parestésica,cirurgia de hemorroidas.

Tambem podera gostar -