dermatite por cimento 1 180x180 - Terapêutica sistémica (Eczemas de Causa Externa)

Terapêutica sistémica (Eczemas de Causa Externa)

Pode justificar-se em situações muito agudas e extensas.
A corticoterapia sistémica, de preferência oral (que permite melhor controlo da dose administrada), na dose inicial de 0,5 a 1 mg/kg de prednisona/prednisolona ou equivalente, é frequentemente utilizada. A administração é feita por períodos curtos, devendo fazer-se redução progressiva da dose.
. A antibioterapia sistémica (macrólidos ou flucloxacilina) encontra justificação quando há suspeita ou evidência de infecção secundária.
• Os anti-histamínicos orais, sobretudo a hidroxizina, têm acção antipruriginosa e são úteis nas fases mais agudas, na dose de 25 mg/2-3xdia; após a melhoria do eczema pode ser reduzida para 25 mg à noite. A acção antipruriginosa dos outros anti-histamínicos, em especial, os de 2.ª geração, é diminuta, pelo que a sua administração não tem utilidade.
• Nos eczemas crónicos, particularmente nos eczemas alérgicos, em que a eliminação dos factores causais seja difícil, tem sido advogada a utilização de ciclosporina A e a fototerapia tópica; são, contudo, terapêuticas de excepção, que deverão ser muito bem ponderadas e reservadas para o dermatologista.

Foliculite 1 180x180 - Foliculite

Foliculite

É uma infecção superficial do folículo piloso que atinge apenas o ostium ou, mais profundamente, o bulbo piloso.
O agente infeccioso mais frequentemente implicado é o Staphylococcus aurem coagulase-positivo, embora, por vezes, possam estar implicados organismos Gram-negativos, como a Pseudomona aeruginosa. As lesões localizam-se em áreas pilosas como a face, couro cabeludo, tronco, nádegas e coxas e caracterizam-se por pequenas pústulas centradas por pêlo, rodeadas de halo eritematoso, dolorosas.

A posição sexual de cada signo 180x180 - Parceiro Sexual (Blenorragia)

Parceiro Sexual (Blenorragia)

Todos os parceiros sexuais dos 6 dias anteriores ao aparecimento da infecção devem ser avaliados e tratados.

Disidrose 180x180 - Terapêutica Inespecífica (Eczemas de Causa Externa)

Terapêutica Inespecífica (Eczemas de Causa Externa)

O tratamento geral dos eczemas assenta nas regras já enunciadas para o EA: eliminação dos factores desencadeantes (irritativos e/ou alérgicos), calmar a pele, hidratar.
-> A eliminação dos factores desencadeantes, quer sejam irritativos, quer sejam alérgicos, é fundamental. Nas dermites alérgicas a identificação do alergénio pelas provas epicutâneas deve conduzir à informação do paciente sobre as fontes de possível contacto e modo de as evitar. De igual modo, nas dermites irritativas, o doente deve ser instruído sobre a melhor forma de se proteger das agressões a que está sujeito (solventes, detergentes, produtos de limpeza, etc). Este passo assume primordial importância nos eczemas das mãos, expostas que estão a múltiplas agressões profissionais, ocupacionais, de higiene ou de lazer.
A aplicação de substâncias suaves e calmantes é muito importante nos eczemas agudos; como regra deverá ter-se em conta que, quanto mais inflamatória e exsudativa for a dermatose, mais suave deve ser o tratamento. Nesta fase a aplicação repetida de pensos húmidos com soro fisiológico ou com soluto de ácido bórico (20:1000), de linimento de óxido de zinco (óleo de zinco), de suspensões ou emulsões com maior conteúdo em água (emulsões O/A) é o que está indicado.
Os hidratantes e os emolientes contribuem para a recuperação funcional da pele.
Devem ser utilizados regular e frequentemente, de acordo com a necessidade e com a área a tratar. Na pele das mãos recomenda-se a aplicação múltiplas vezes ao longo do dia, enquanto noutras áreas pode ser suficiente 1 ou 2xdia.

piolhos como acabar com eles 180x180 - Tratamento (Pediculose)

Tratamento (Pediculose)

Existem múltiplos produtos escabicidas comercializados, mas é do conhecimento que estes parasitas estão, cada vez mais, resistentes à maioria deles. Por outro lado, e à semelhança do sucedido com os acaricidas, os produtos contendo malatião ou lindano também foram retirados do mercado.
Os pediculocidas podem ser utilizados em champô, loção, pulverizadores, devendo ser deixados a actuar durante um período variável (entre minutos e horas) antes de serem lavados. O tratamento deve ser repetido 1 semana depois.
Os produtos actualmente existentes são à base das seguintes substâncias – permetrina (+ butóxido de piperonilo) – o mais activo -, benzoato de benzilo, crotamitona, dimeticone, d-fentizida, nalatiol, quassia amara.
Em casos particularmente resistentes e recidivantes, a administração de cotrimoxazol, ao interferir com o metabolismo do parasita, pode ter indicação.
Estes tratamentos deverão ser complementados com outras medidas para evitar a reinfestação:
-> Remoção das lêndeas com pente fino – é uma das mais importantes medidas de tratamento e profilaxia da reinfestação dada a actual resistência do parasita à maioria dos produtos químicos. Deve ser feita repetidamente l-2xsemana, durante pelo menos 2-4 semanas.
—> Lavagem de roupas de cama e do doente, com água quente abundante e, se possível, secas ao sol.
—> Lavagem de pentes e escovas com água e sabão, mantendo-os depois mergulhados em álcool.
Na pediculose palpebral deverá aplicar-se vaselina nas pálpebras, duas vezes por dia, durante 8 dias e remover as lêndeas em seguida.

alopecia androgenetica maschile 180x180 - Terapêutica Médica Tópica (Alopecia androgenética)

Terapêutica Médica Tópica (Alopecia androgenética)

– Minoxidil tópico – a loção tópica de minoxidil a 2% é uma terapêutica bem estabelecida na alopecia androgenética. Contudo, a loção a 5% condiciona uma resposta clínica mais rápida e evidente.
O mecanismo de acção do minoxidil percutâneo não está completamente esclarecido.
A posologia aconselhada é de 1 ml de solução aplicada de manhã e à noite sobre o couro cabeludo seco. O minoxidil tópico parece não ter eficácia ao nível da região temporal. O tratamento deve ser feito durante pelo menos 6 meses para se poder avaliar a sua eficácia. Uma boa resposta corresponde a paragem da queda excessiva ao fim de 2 a 6 meses, acompanhada pelo início de reponte de cabelos tipo lanugo.
Ao fim do primeiro ano atinge-se uma melhoria estacionária, mas se o tratamento for suspenso, esta melhoria é reversível ao fim de 3 ou 4 meses.
Os melhores resultados são visíveis nos primeiros graus de alopecia androgenética no homem e, isoladamente ou em combinação com terapêutica hormonal, na mulher.
Em regra, quanto mais jovem o paciente, melhor a resposta, diminuindo esta acentuadamente a partir dos 40 anos.
Como efeitos secundários possíveis da aplicação local são de referir o prurido e a hipertricose da face, pelo que na mulher se deve utilizar preferencialmente a solução a 2% que está associada a um menor risco de ocorrência do último. As raras reacções irritativas ou alérgicas descritas (0,1-1% segundo as séries) podem ser provocadas pelo minoxidil ou pelo excipiente.
– Outros tópicos – as formulações tópicas de finasteride a 0,05% e de progesterona a 0,5% não são eficazes, apesar da actividade inibidora da 5-alfa reductase destas substâncias.
No caso de coexistência de dermite seborreica, a utilização de champôs com cetoconazol ou piroctona-olamina pode ser útil na redução da microflora infundibular diminuindo a inflamação que parece agravar a queda de cabelo.
Resultados preliminares de ensaios clínicos de pequena escala com o 2,4-diamino-piramidina-3-óxido, molécula aparentada com o minoxidil, demonstram a sua eficácia antifibrótica, o que facilita a inserção profunda dos folículos na derme com consequente aumento da percentagem de folículos em fase anagénica.

Herpes zoster 14 180x180 - Dermatofitias

Dermatofitias

As dermatofitias são doenças causadas por fungos dermatófitos, cujos agentes mais frequentes são o Microsporum canis e o Tricophytum rubrum. Podem infestar a pele, as unhas e os cabelos.
Clinicamente, a lesão elementar na pele é uma pápula eritematosa que cresce de modo centrífugo, assumindo a lesão um aspecto grosseiramente circular ou policíclico, de contornos irregulares, com bordo elevado, descamativo e com aparente cura central. As lesões podem ser únicas ou múltiplas e o prurido é quase constante.
As tinhas das unhas ou onicomicoses iniciam-se, geralmente, com atingimento de uma unha, mais frequentemente dos pés, sendo comum a progressão para as restantes unhas.
Tipicamente, a lesão inicial é uma mancha branca ou amarelada no bordo livre, com posterior envolvimento e espessamento de toda a unha.
A tinha do couro cabeludo afecta, preferencialmente, as crianças. Consideram-se três tipos clínicos distintos: a microspórica, a tricofítica e a inflamatória. A tinha microspórica caracteriza-se pelo aparecimento de várias áreas circulares de alopecia em que se visualizam cotos de cabelo fracturado; na tricofítica, a lesão de alopecia pode ser única, circular, de superfície descamativa, sem cotos de cabelo fracturado. Na tinha inflamatória, observam-se nódulos inflamatórios, exsudativos e dolorosos no couro cabeludo.

fotoBig3 180x180 - Fototerapia e fotoquimioterapia

Fototerapia e fotoquimioterapia

As radiações UV, isoladas (fototerapia) ou em associação a fotossensibilizantes orais ou tópicos (fotoquimioterapia), são eficazes em várias formas clínicas de psoríase.
-> Fotoquimioterapia (Psoraleno + UltraVioleta A = PUVA) – a PUVAterapia, efectuada apenas em serviços da especialidade, está indicada na psoríase extensa (>30% da área corporal). A administração oral do psoraleno, em regra o 8-MOP (8-metoxipsoraleno), faz-se 2 horas antes da irradiação com UVA. A dose de psoraleno é calculada com base no peso corporal (0,6 mg/kg). A dose de radiação inicial de UVA baseia-se, em geral, no fototipo do doente. Efectuam-se dois a três tratamentos por semana, aumentando-se progressivamente a dose de UVA em cada la 2 sessões, até se atingir um planalto individual.
Os doentes devem ser submetidos a exame clínico-laboratorial prévio, para exclusão de contra-indicação para esta terapêutica. É obrigatório o uso de óculos com lentes filtrantes a 100% de radiação UVA nos dias de tratamento, desde a ingestão do psoraleno. O tratamento deve manter-se até à regressão completa das lesões, sendo em regra necessárias 4-6 semanas para o efeito.
O PUVA parcial de mãos e pés, utilizando uma solução de 8-MOP (0,1 a 1%), tem eficácia semelhante à do PUVA oral, sem os efeitos secundários sistémicos deste;
– Fototerapia – a fototerapia com radiação Ultravioleta B (UVB) de banda estreita (311 +/- 2 nm) utiliza lâmpadas especiais e tem uma eficácia semelhante à da fotoquimioterapia. A fototerapia com UVB de largo espectro (290-320 nm) é menos eficaz, mas pode ser útil na psoríase gutata aguda.

02 Psoríase na coxa 180x180 - Terapêuticas Combinadas e Rotativas (Psoríase)

Terapêuticas Combinadas e Rotativas (Psoríase)

A conjugação de terapêuticas tópicas e sistémicas é, em muitos casos, recomendável; destas, a associação do calcipotriol aos UV tem mostrado eficácia superior à de qualquer das duas terapêuticas isoladas. O Re-PUVA, que associa um retinóide oral (acitretina) ao PUVA , é também particularmente eficaz. Mais oportunos parecem ser os esquemas rotativos, que propõem a utilização isolada e sequencial dos diferentes antipsoriásicos, com o objectivo de obter os melhores resultados com sobrecarga mínima de cada órgão alvo (sangue, fígado, rins e pele).
Os medicamentos biológicos podem também ser associados a outras terapêuticas tópicas, a fototerapia com UVB, ou com outros sistémicos, como o metotrexato. Mas em cada caso há que fazer uma avaliação cuidada dos riscos vs benefício que estas associações podem trazer.

a0050b0e961f8fa5356db8afad7d2321 180x180 - Sífilis

Sífilis

A sífilis é uma infecção provocada pelo Treponema pallidum. Se não for tratada de início, evolui para a cronicidade, cursando com períodos assintomáticos alternando com sintomas clínicos. É sistémica desde o início, podendo atingir múltiplos órgãos.
Clinicamente divide-se em sífilis primária (acidente primário), secundária (rash, manifestacões mucocutâneas e adenopatias) e terciária (lesões cardíacas, neurológicas, oftalmológicas, auditivas e gomas). Em função da sua duração divide-se em recente (menos de um ano) e tardia (mais de um ano). Como tal, os períodos assintomáticos ou latentes também se dividem em recente e tardio. Esta divisão tem importância para o tratamento.
O diagnóstico pela pesquisa de T. pallidum, em fundo escuro, nas lesões cutâneo-mucosas só é efectuado em centros especializados, pelo que, na prática clínica, são utilizados os testes serológicos: VDRL ou RPR para despiste e TPHA ou FTA-ABS para confirmação. No controlo da terapêutica deve-se usar o VDRL.