Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseStartTag: invalid element name in Entity, line: 7 in /home/medicina/public_html/wp-content/plugins/wpex-auto-link-titles-master/wpex-auto-link-titles.php on line 30
preview002 180x180 - Clínica (Adenomas da Hipófise)

Clínica (Adenomas da Hipófise)

No sexo feminino verifica-se galactorreia em 30-80% dos doentes, normalmente de expressão, podendo ser transitória ou esporádica ou nunca ocorrer.
A prolactina exerce um efeito inibitório nas gonadotropinas, com interferência no eixo hipotálamo/hipófise/gónadas, com diminuição da secreção pulsátil de LH e FSH e do pico de LH do meio da ovulação, embora os níveis de LH e FSH possam ser normais.
Assim, ocorre oligomenorreia, amenorreia e infertilidade.
No sexo masculino, as queixas são: impotência, diminuição da libido, apatia, galactorreia (menos frequente do que no sexo feminino) e infertilidade com diminuição do número de espermatozóides.
Deve-se determinar os níveis de prolactina, LH, FSH, estrogénios, testosterona e TSH.
Avaliar a função hepática e renal e pedir teste de gravidez.
Níveis de prolactina >200 ng/ml são virtualmente diagnóstico de adenoma; níveis de prolactina entre 100 e 200 ng/ml apontam para um provável adenoma a confirmar por TC ou RM; e prolactina <100 ng/ml pode corresponder a outras causas de hiperprolactinemia ou a microadenomas.


Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseStartTag: invalid element name in Entity, line: 2 in /home/medicina/public_html/wp-content/plugins/wpex-auto-link-titles-master/wpex-auto-link-titles.php on line 30
shutterstock 103381445 180x180 - Adenomas da Hipófise

Adenomas da Hipófise

Os tumores da hipófise correspondem a 10-15% dos tumores do SNC e podem apresentar-se com sinais e sintomas decorrentes do efeito de massa, disfunção hormonal ou ambos.
Dividem-se em microadenomas (adenomas <1 cm) e macroadenomas (adenomas >1 cm) em que a incidência de défices visuais ou hipopituitarismo está directamente relacionada com o tamanho do tumor.
Etiologicamente podem ser prolactinomas em 60% dos casos, adenomas produtores de GH (20%), de ACTH (10%), adenomas não funcionantes (10%) ou mais raramente adenomas produtores de TSH, gonadotropinas ou cadeias alfa.

NUEVO Gonadotrofina Corionica 180x180 - Substituição de Gonadotropinas

Substituição de Gonadotropinas

– Sexo feminino – substituição estrogénica/progestagénica
Estradiol oral 1 a 2 mg/dia, estradiol transdérmico 0,05-0,1 mg/dia ou estrogénios conjugados: 0,3 a 1,25 mg/dia (por exemplo, 0,625 mg/dia primeiras 3 semanas).
Alivia os sintomas vasomotores, previne a osteoporose e mantém as características sexuais secundárias.
Deve-se sempre conjugar um progestagénio como, por exemplo medroxiprogesterona, 5 a 10 mg, intercalado com o estradiol (3 semanas de estradiol e 1 semana de medroxiprogesterona, seguida de uma semana de menstruação) para evitar a hiperplasia do endométrio.
– Sexo masculino – substituição androgénica
Enantato de testosterona 100 mg/semana ou 200 mg/2 semanas ou 300 mg a cada 3 a 4 semanas, i.m. ou testosterona transdérmica.
Permite restaurar a libido, previne a osteoporose, aumenta o crescimento dos pelos e barba, e aumenta a força muscular e o bem-estar geral.
Deve-se iniciar o tratamento com 50 mg, aumentando a dose a cada 2 semanas, através do doseamento da testosterona sérica, avaliada imediatamente antes da administração. Manter vigilância do hemograma, função hepática e PSA.

cirurgia 4 1 180x180 - Tratamento (Doença de Cushing)

Tratamento (Doença de Cushing)

A cirurgia transesfenoidal é o tratamento de escolha para a doença de Cushing, sendo eficaz em 85% dos casos de microadenoma. Nos casos de macroadenoma, a eficácia cai para 25%.
Cerca de 10% dos doentes necessitam de hipofisectomia total ou hemi-hipofisectomia, quando não se detecta o adenoma. Como efeitos secundários da cirurgia há a destacar a insuficiência suprarrenal secundária devido à depressão do eixo hipotálamo/hipófise/suprarrenal, que normalmente persiste durante 6 a 18 meses, e à diabetes insípida, que ocorre em 20% dos doentes.

153 180x180 - Prognóstico (Doença de Cushing)

Prognóstico (Doença de Cushing)

Apesar da melhoria no prognóstico nestes últimos anos, os doentes com doença de Cushing (principalmente macroadenomas) têm uma esperança de vida menor que a população geral, sendo que a morte é causada por doenças cardiovasculares.

Prolactinoma 180x180 - Tratamento dos Adenomas da Hipófise

Tratamento dos Adenomas da Hipófise

— Médico:
• Bromocriptina (agonista dopaminérgico) – eficaz nos prolactinomas e em alguns casos de adenomas produtores de GH e ACTH.
• Acetato de octeotrídeo (análogo da somatostatina) – eficaz no tratamento da acromegalia e de alguns tumores produtores de TSH.
— Cirúrgico:
A cirurgia tem como abjectivo:
• Aliviar o efeito de massa: cefaleias, distúrbios visuais, hiperprolactinemia 2.ª ou hipopituitarismo.
• Corrigir hiperfunção com restauração do eixo hipotálamo/hipófise completamente ao normal.
• Diagnóstico histológico, imunocitoquímico e de microscopia electrónica.
• Evitar recidiva.
• Evitar hipopituitarismo ou diabetes insípida.
De forma geral, utilizam-se dois métodos:
• Microcirurgia transesfenoidal.
• Craniotomia transfrontal normalmente utilizada em doentes com invasão supra-selar.
As principais indicações cirúrgicas são:
• Hemorragia aguda com défice oftalmológico.
• Efeito de massa ou hipersecreção de hormona (excepto prolactinomas).
• Falha do tratamento médico ou radioterapia.
A cirurgia apresenta taxas de sucesso de 90% nos microadenomas com melhoria da acuidade visual em 80% dos doentes com extensão supra-selar.
A taxa de complicações é menor que 5%, sendo mais frequente em doentes com macroadenomas. Algumas das complicações são:
• Hemorragias.
• Fístulas com saída de LCR.
• Meningite.
• Alterações visuais.
• Diabetes insípida em 15% dos casos, normalmente transitória.
• SIADH em 10% dos casos, igualmente transitória.
• Hipopituitarismo em 5-10% dos casos.
– Radioterapia (RT).
Indicada para os doentes que não podem ser operados ou nos casos de doença residual após a cirurgia.
Pode-se utilizar a RT convencional (40-50 Gy), que apresenta um efeito a longo prazo (cerca de 5 a 10 anos) e uma taxa de sucesso considerável nos prolactinomas (normalmente eficaz no controlo do crescimento do tumor) de cerca de 80% na acromegalia e de 50-65% na doença de Cushing.
Os efeitos secundários também são comuns com hipopituitarismo em 50-60% dos casos em 5 a 10 anos, lesão do SNC, quiasma e nervo óptico.
– Irradiação com partículas pesadas.
As partículas são menores, o que permite a utilização de doses maiores, 80-120 Gy, numa área mais restrita.
Possui um efeito mais rápido (2 anos), sendo eficaz na maioria dos doentes com doença de Cushing e acromegalia, mas com a desvantagem de ter pouco sucesso em tumores maiores que 1,5 cm e com extensão extra-selar.
— Prolactinomas.
Patologia endócrina mais frequente do hipotálamo/hipófise, sendo que os prolactinomas podem variar desde microadenomas a grandes macroadenomas com invasão extra-selar. Tipicamente o crescimento dos prolactinomas é lento, pode haver necrose parcial espontânea, e consequentemente o adenoma aparece nas imagens como uma sela parcialmente vazia.

Parathyroid gland high mag cropped 180x180 - Substituição de Hormona Tiroideia

Substituição de Hormona Tiroideia

Deve ser feita apenas após o início da terapêutica com corticóides. A dose de levotiroxina deve-se basear na concentração de T3 e T4 livres, já que alguns doentes apresentam valores normais de TSH e resposta adequada ao TRH.

Ibu 180x180 - Substituição de Corticóides

Substituição de Corticóides

Normalmente utiliza-se hidrocortisona 20 a 30 mg/dia em 2 ou 3 tomas (15 mg ao acordar e 5 mg as 18 horas) ou prednisona 5 a 7,5 mg/dia em 2 ou 3 tomas/dia (5 mg ao acordar e 2,5 mg às 18 horas).
Deve haver sempre um ajuste individual com o objectivo de se atingir a dose mínima eficaz para evitar hipercortisolismo. Em situações de stress (por exemplo, infecções, traumatismo), é importante aumentar a dose 2 a 3 vezes (hidrocortisona 20 mg a cada 6-8 horas).
Ao contrário da insuficiência primária da suprarrenal, a substituição com mineralocorticóides não é necessária.

medicacao para a diabetes tipo 2 2014 02 28 15 59 25 180x180 - Tratamento (Hipopituitarismo)

Tratamento (Hipopituitarismo)

Substituição de corticóides, de hormonas tiroideias e/ou gonadotropinas.

Trilogy with patient1 180x180 - Hipopituitarismo

Hipopituitarismo

Corresponde à diminuição da secreção de uma ou mais das hormonas hipofisárias e pode ser primária, isto é, decorrente de lesão hipofisária ou secundária a lesão do hipotálamo.
As hormonas mais frequentemente atingidas, em ordem decrescente, são as gonadotropinas, GH, TSH, ACTH e prolactina.