Artigos

colesterol da mulher 180x180 - Fibrilhação auricular

Fibrilhação auricular

A FA paroxística deve ser tratada com conversão elétrica caso se verifique compromisso hemodinâmico. Na sua forma crónica, a frequência cardíaca deve ser controlada com digitálicos, antagonistas do cálcio (verapamil. diltiazem) ou amiodarona.
Os anticoagulantes orais estão indicados na IM crónica com FA (INR entre 2,0 e 3,0), ficando os antiagregantes para quando existir contra-indicação para anticoagulação oral ou cardiopatia isquémica subjacente.

B VARICE 180x180 - Hemorragia Digestiva Alta

Hemorragia Digestiva Alta

– A incidência da hemorragia digestiva alta diminuiu nos últimos anos?
Não, apesar da progressiva erradicação do Helicobacter pylori (Hp) e redução da úlcera duodenal; 4-5% dos internamentos em grandes hospitais são de doentes com hematemeses e/ou melenas. O envelhecimento da população (doenças associadas), o uso de AINEs e de antiagregantes/anticoagulantes explicam isso.
– A mortalidade por HDA tem vindo a diminuir?
Também não, mesmo com os inibidores da bomba de protões (IBP) e as cada vez mais sofisticadas técnicas de hemostase endoscópica (HE); varia entre 4 e 10% e em algumas séries mais (doente que já estava internado, idade, causa da HDA).
– Quais são as causas de HDA?
Por ordem de frequência (não muito variável em Portugal): úlcera gástrica ou úlcera duodenal 30-40%, gastrite ou duodenite erosivas 20%, ruptura de varizes esofágicas 10-20%. Nos restantes 20% esofagite ulcerada (refluxo, cáusticos), Mallory-Weiss, malformações arteriovenosas (angiodisplasias, Dieulafoy), gastropatia hipertensiva tumores benignos (pólipos hiperplásicos, adenomas, leiomioma), carcinoma, linfoma, corpos estranhos, fístula aorto-entérica, hemobilia (pós-CPRE, tumores, cálculos), causa não determinada.

o exame examinar diagnostico diagnosticar coracao emergencia cardiaco prevencao pulmao enfermeira pulso pesquisa ciencia 1298305163588 1024x768 180x180 - Prevenção das lesões gastroduodenais na utilização dos AINEs

Prevenção das lesões gastroduodenais na utilização dos AINEs

Em termos de custo/benefício, quando se introduz uma terapêutica com AINEs, só se preconiza a prevenção de lesões erosivo/ulceradas gastroduodenais nos doentes de risco: idade superior a 60 anos, co-terapia com antiagregantes plaquetários, corticóides ou anticoagulantes, uso de doses altas de AINEs ou associação de AINEs e antecedentes pessoais de UP. Os fármacos mais rentáveis para esta prevenção são os anti-secretores, nomeadamente os IBP. Em doentes sem risco cardiovascular e com antecedentes pessoais de UP sob AINEs e que necessitem de os manter, estes podem ser substituídos pelos inibidores selectivos da COX-2. No caso destes doentes terem risco cardiovascular, pode manter-se os AINEs e associar um IBP, em terapêutica de manutenção.
A erradicação do Hp é controversa nos indivíduos sob AINEs. Nos casos da utilização de novo dos AINEs, a erradicação prévia do Hp pode ser benéfica. Nos utilizadores crónicos tal não se verifica e só se preconiza naqueles que já sofreram uma UP hemorrágica.
Mas, neste caso, a erradicação do Hp não parece ser suficiente para prevenir a recidiva ulcerada e deve associar-se um IBP, em terapêutica de manutenção.

analgesico 180x180 - Anticoagulantes e antiagregantes (Lúpus)

Anticoagulantes e antiagregantes (Lúpus)

– Anticoagulantes e antiagregantes – os anticoagulantes orais estão indicados no tratamento das tromboses associadas à síndrome dos anticorpos antifosfolípidos. No caso de fenómenos trombóticos de repetição, a anticoagulação deve ser para a vida inteira. As perdas fetais recorrentes associadas à presença destes anticorpos podem ser evitadas com a utilização durante a gravidez de aspirina em baixa dose (75 mg/dia), associada a heparina s.c.

Nota+ +Farmácias+1 180x180 - Anticoagulantes Orais

Anticoagulantes Orais

Os anticoagulantes são fundamentalmente utilizados na prevenção secundária do AVC isquémico associado a cardiopatias embolígenas de alto-médio risco (por exemplo, próteses valvulares mecânicas, valvulopatia mitral reumática, FA não valvular, miocardiopatias dilatadas) sendo indicado manter o INR entre 2 e 3.
A anticoagulação é muito eficaz na prevenção secundária do embolismo cerebral na FA não valvular, pois evitam-se 90 eventos vasculares (principalmente AVC) se forem tratados com anticoagulantes 1000 doentes com FA durante um ano, e 40 eventos se forem tratados com aspirina. O risco da anticoagulação oral nesta indicação é baixo (3% hemorragia/ano; 0,2% hemorragia intracraniana/ano). A maioria destas hemorragias ocorre quando o INR é superior a 4,5. Existem, contudo, diversas contraindicações para a anticoagulação nesta situação tais como alcoolismo crónico, insuficiência hepática, hipertensão crónica não controlada (tensão arterial diastólica >100 mmHg, tensão arterial sistólica >180 mmHg em pelo menos 2 dias sucessivos), retinopatia hemorrágica, hemorragia intracraniana prévia, diátese hemorrágica, úlcera péptica nos últimos 3 anos, hemorragia gastrintestinal ou hematúria nos últimos 6 meses, gravidez, doença neurológica ou osteoarticular que provoque quedas frequentes, demência, impossibilidade de tomar a medicação consoante as prescrições ou de realizar as análises de controlo com a regularidade necessária, doentes dependentes. A anticoagulação está indicada mesmo em doentes com mais de 80 anos, embora seja menor a segurança da anticoagulação oral neste grupo etário e a possibilidade de a utilizar, porque em geral coexistem uma ou mais contraindicações. Nos doentes com FA e com contraindicações para a anticoagulação devem usar-se antiagregantes (ácido acetilsalicílico numa dose baixa).
Nas cardiopatias potencialmente embolígenas de baixo risco (por exemplo, forâmen oval patente, aneurisma do septo interauricular, prolapso da válvula mitral, área acinética/discinética ou aneurisma da parede ventricular) devem ser excluídas outras possíveis causas de AVC, nomeadamente estenose das artérias pré-cerebrais, estando indicado o ácido acetilsalicílico 250-300 mg/dia, No caso de FOP (forâmen oval patente), associado a AVC por embolia paradoxal, flebotrombose profunda comprovada ou aneurisma do septo interauricular, está indicada a anticoagulação ou o encerramento percutâneo do FOP. O encerramento cirúrgico ou endovascular do FOP é ainda uma alternativa terapêutica em doentes anticoagulados com AVC recorrente. A adição de antiagregantes a anticoagulantes aumenta substancialmente o risco hemorrágico. A sua vantagem só foi demonstrada em doentes com próteses valvulares mecânicas e eventos embólicos recorrentes.

2fd080f893bd83c8eedc3934cb0432a5 180x180 - Controlo dos fatores de risco – Anticoagulantes (Doença Cardiovascular Aterosclerótica)

Controlo dos fatores de risco – Anticoagulantes (Doença Cardiovascular Aterosclerótica)

Indicados nos doentes com história de eventos tromboembólicos, trombo ventricular esquerdo, fibrilhação auricular persistente ou paroxística. Considerar a combinação com antiagregantes plaquetários nos doentes com EAM com risco elevado de tromboembolismo, enfarte anterior extenso, aneurisma ventricular, insuficiência cardíaca pós-enfarte.

anemia 180x180 - Terapêuticas Experimentais

Terapêuticas Experimentais

Na sépsis e MODS foram testadas, na última década, inúmeras terapêuticas experimentais com ações anti-inflamatórias, antioxidantes, antiendotoxinas, anticitoquinas e anticoagulantes, que, de um modo geral, após resultados muito promissores em modelos animais e animadores em estudos preliminares no humano, se revelam grandes deceções em estudos prospetivos controlados.

Doencas cardiacas cardiovasculares sintomas sinais coracao prevenir causas diagnostico tratamento coronarias causas congenita cardiacas tipos ait acidente isquemico transitorio medicamentos remedios 1 180x180 - Terapêutica Médica (Insuficiência Mitral)

Terapêutica Médica (Insuficiência Mitral)

A terapêutica médica pode ser importante em alguns pacientes. Esta inclui, para além da profilaxia da endocardite bacteriana, todas as medidas usadas no tratamento da insuficiência cardíaca.
Diuréticos – úteis no controlo da insuficiência cardíaca, principalmente da dispneia.
Digitálicos – utilizam-se para controlar o ritmo nos pacientes com FA (isolados ou em associação) e na disfunção VE.
Anticoagulantes orais – devem ser administrados nos pacientes com FA.
Bloqueantes – são os fármacos de escolha nos doentes com prolapso da válvula mitral e palpitações ou precordialgias.
Vasodilatadores (hidralazina, IECA, nifedipina) – nos pacientes assintomáticos com IM crónica e FVE preservada não existem estudos que demonstrem, ao contrário da IA, o benefício dos vasodilatadores, embora o seu uso pareça ser lógico, em particular nos doentes com hipertensão arterial.