Artigos

MEDICINA394F23A 1 180x180 - Factores de Risco (Avaliação Pré-Operatória)

Factores de Risco (Avaliação Pré-Operatória)

Factores de risco
—> São factores de risco major:
• Síndrome coronária instável;
• Insuficiência cardíaca congestiva descompensada;
• Arritmias não controladas;
• Lesão valvular severa.
—> São factores de risco intermédio:
• Insuficiência coronária estável;
• EM (enfarte do miocárdio) prévio;
• Insuficiência cardíaca congestiva compensada;
• Diabetes;
• Insuficiência renal.

012 180x180 -  Disfunção sino-auricular e perturbações do nódulo sinusal

Disfunção sino-auricular e perturbações do nódulo sinusal

A disfunção sino-auricular é uma entidade particular que envolve um espectro de várias arritmias que incluem a bradicardia sinusal, as pausas ou paragens sinusais, o bloqueio sino-auricular, o ritmo auricular migratório e a síndrome de braditaquidisritmia. A arritmia sinusal e a taquicardia sinusal são perturbações do nódulo sinusal que não se incluem na disfunção sino-auricular, sendo a primeira normalmente benigna e associada a imaturidade do nódulo e não requerendo terapêutica específica. A segunda pode estar associada a diversas situações clínicas (insuficiência cardíaca, por exemplo) ou ser determinada por estímulos externos. O seu tratamento, quando necessário, passa por eliminar os fatores precipitantes ou pelo uso de bloqueantes como droga de 1ª linha.
O tratamento da disfunção sino-auricular depende da presença de sintomas associados. Se houver sintomas de baixo débito clinicamente relevante, sinais de insuficiência cardíaca congestiva ou perdas de conhecimento documentadas, ou se for necessário usar terapêutica bradicardizante concomitante, a opção é implantar um pacemaker definitivo. Na síndrome de braditaquidisritmia utiliza-se geralmente uma associação do pacing fisiológico com terapêutica farmacológica antiarrítmica.

HiRes 180x180 - Mecanismos das arritmias

Mecanismos das arritmias

De uma forma geral, os mecanismos responsáveis pelas arritmias são divididos em alterações da formação do impulso, da condução do impulso ou em que coexistem ambos os mecanismos.
As alterações da formação do impulso podem ser devidas a alteração do automatismo ou por atividade desencadeada (triggered) pela presença de pós-potenciais. Exemplos de alteração do automatismo incluem a taquicardia sinusal e os ritmos idioventriculares acelarados. Exemplos de atividade triggered constituem os pós-potenciais precoces da síndrome do QT longo e os pós-potenciais tardios provocados pelos digitálicos.
As alterações da condução do impulso implicam a existência de um bloqueio na condução do estímulo elétrico, anatómico ou funcional, uni ou bidireccional, podendo dar origem a fenómenos de reentrada. Exemplo de perturbações da condução do impulso são o bloqueio sino-auricular, o BAV ou de ramo e com fenómenos de reentrada, a taquicardia ventricular no pós-enfarte do miocárdio e o flutter auricular.

alcool3 180x180 - Ingestão de álcool (Insuficiência Cardíaca)

Ingestão de álcool (Insuficiência Cardíaca)

O álcool pode ter um efeito inotrópico negativo e associar-se ao aumento da PA e arritmias.
—> A abstinência do consumo de álcool é fundamental na suspeita de miocardiopatia dilatada de etiologia etanólica.
—> A ingestão de álcool deve ser desaconselhada em todos os casos de IC, podendo aceitar-se o máximo de 10 a 20 g/dia (1 a 2 copos de vinho/dia).


Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseStartTag: invalid element name in Entity, line: 5 in /home/medicina/public_html/wp-content/plugins/wpex-auto-link-titles-master/wpex-auto-link-titles.php on line 30
coracao 20120706 size 598 180x180 - Angiografia Coronária e Eventual ICP após Fase Aguda de Enfarte do Miocárdio

Angiografia Coronária e Eventual ICP após Fase Aguda de Enfarte do Miocárdio

—> Se possível em todos os pacientes trombolizados, idealmente entre as 3-24 horas após fibrinólise.
—> Pacientes com episódios espontâneos de isquemia miocárdica ou episódios de isquemia miocárdica provocados por esforços mínimos durante a fase de recuperação do enfarte.
—» Antes do tratamento definitivo duma complicação de enfarte, como insuficiência mitral aguda, CIV, pseudoaneurisma ou aneurisma ventricular esquerdo.
—> Pacientes com instabilidade hemodinâmica persistente.
—> Sobreviventes de EAM com diminuição da função ventricular esquerda (FE<0,40), ICC, revascularização prévia ou arritmias ventriculares malignas. —» Pacientes com isquemia objetiva em teste de sobrecarga (treadmill simples, ecocardiografia de stress ou cintigrafia), efetuado na fase de estratificação de risco pós-EAM. —> ICP duma oclusão da artéria responsável pelo enfarte após 24 horas dum EAM com TST não está indicada em pacientes assintomáticos com doença de um ou dois vasos, se estáveis hemo e eletricamente, e sem evidência de isquemia severa.