Artigos

transferir 6 180x180 - Tratamento (Nódulo Tiroideu)

Tratamento (Nódulo Tiroideu)

—> O tratamento cirúrgico é indicado em:
• NT malignos ou suspeitos.
• NT benignos solitários, únicos ou associados a BMN e com mais de 3-4 cm, com sintomas compressivos ou inestéticos.
—> Tratamento médico – o tratamento dos NT com levotiroxina ainda hoje é fonte de discussão entre os endocrinologistas, no entanto aceita-se como indicação para tratamento dos NT:
• Nódulo pequeno (menor que 2,5 cm), recente, com função tiroideia normal ou subnormal.
Citologia benigna.
• Doentes com menos de 50 anos e sem patologia cardíaca.

9988283 180x180 - Condições de Realização (Citologia)

Condições de Realização (Citologia)

– Após 3 anos do início de vida sexual.
– Início aos 21 anos, até aos 64 anos (se não existir patologia cervical).
– Evitar a utilização de lubrificantes, cremes vaginais antes da colheita, que deve ser feita fora do período menstrual.
Para se obter bons resultados é importante uma colheita correcta de material do endocolo e exocolo.
Existe uma prevenção primária com vacinas (existem presentemente duas, uma bivalente (“Cervarix”) que protege contra o HPV 16 e 18 e uma quadrivalente (“Gardasil”) que cobre também o HPV 6 e 11, além dos anteriores.
A classificação da citologia actual segue a classificação Bethesda 2001 para avaliar as anomalias das células epiteliais.
Após duas citologias negativas anuais, pode alargar-se a colheita para períodos de 3 em 3 anos, excepto nas mulheres de risco (imunodeprimidas ou com patologias como SIDA, etc.) que obrigam a uma citologia anual e uma vigilância apertada. Presentemente podemos completar a citologia com uma tipagem HPV de alto risco, realizada em meio líquido, ou com PCR (Digene) nas mulheres com mais de 30 anos.
Se a tipagem HPV for negativa, poderá alargar-se o período de repetição da citologia para 3 anos e diminuir os falsos negativos.

exame papanicolau 180x180 - Prevenção e Diagnóstico Precoce de Patologia Cervical

Prevenção e Diagnóstico Precoce de Patologia Cervical

O cancro do colo do útero é a 6.a neoplasia mais frequente nas mulheres e a 2.ª principal causa de morte no mundo. O vírus do HPV de alto risco está intimamente ligado ao cancro do colo do útero. Foram identificados mais de 180 estirpes, das quais 15 de alto risco. A infecção é comum, mas a maioria das mulheres consegue eliminar a infecção sem sequelas; contudo, algumas têm persistência da infecção viral (sobretudo com os subtipos de alto risco). O teste de Papanicolau é um teste de rastreio das alterações celulares que estão associadas com o aumento de risco do aparecimento do cancro do colo. A colheita do Papanicolau é um tipo de prevenção secundária (existe rastreio populacional ou oportunista). O rastreio organizado só existe ainda na zona Centro. A colheita de citologia Papanicolau faz-se em lâminas ou meio líquido (Thin Prep) – este último com menos artefactos.

oncologia21 180x180 - Terapêutica em Oncologia

Terapêutica em Oncologia

A doença oncológica é, em Portugal e em todo o mundo ocidental, uma das principais causas de morbilidade e mortalidade. A sua incidência global no mundo tem crescido de modo constante nos últimos anos (mas tem sido estável ou tem estado em declínio nos últimos 10 anos na Europa e América do Norte) e é possível dizer que o risco cumulativo de cancro ao longo da vida, nos EUA, é de 1 em 2 no sexo masculino e de 1 em 3 no sexo feminino .

A seguir aborda-se a doença oncológica em termos gerais – diagnóstico, complicações, princípios gerais de tratamento – e não por entidade (embora também em Portugal, tal como no restante mundo ocidental, os “quatro grandes” da oncologia sejam os tumores do pulmão, cólon, mama e próstata).
O diagnóstico em oncologia baseia-se sempre em exame histológico de um tecido obtido por biopsia incisional, excisional ou exame de peça cirúrgica de órgão; nas doenças hematológicas malignas, o diagnóstico baseia-se frequentemente apenas em exame citológico de sangue ou medula. Só em casos excepcionais pode ser aceite um diagnóstico baseado em dados de imagem ou outros e iniciado um tratamento (por exemplo se estiver em causa uma situação de risco de vida); importa realçar que os marcadores tumorais não devem ser usados para diagnóstico ou despiste, mas sim para monitorizar o curso da doença ou a resposta ao tratamento. Nos dois casos – citologia e histologia- há uma série de exames adicionais para confirmação ou melhor caracterização do diagnóstico, que possuem também interesse prognóstico ou preditivo de resposta a tratamento – bioquímica, imuno-histoquímica, citogenética, genética molecular, etc. A par do processo de diagnóstico decorre também o estadiamento (ou inventário de extensão da doença) e a obtenção de informação que permite determinar indicações terapêuticas, prognóstico e seguir a evolução da doença – indicadores clínicos, laboratoriais, imagiológicos, moleculares, etc. Ao longo dos anos, para a maior parte das doenças, foram criados sistemas de classificação integrando toda esta informação, e sistemas de avaliação dos resultados do tratamento.

articolo guerri1 180x180 - Imagiologia (Nódulo Tiroideu)

Imagiologia (Nódulo Tiroideu)

— GGT:
• Cerca de 80% dos NT submetidos a cintigrafia aparecem como nódulos frios, destes apenas 5-10% destes são neoplasias.
• Os nódulos quentes correspondem a 3-20% dos NT e muito raramente são neoplasias.
• Assim, como a maioria dos NT são frios e destes apenas uma pequena percentagem é maligna, a utilidade da GGT no diagnóstico diferencial dos NT é limitada.
– Ecografia:
• Há algumas características ecográficas que podem sugerir tratar-se de uma patologia benigna ou maligna.
– Citologia:
• A citologia apresenta uma sensibilidade de 68 a 98% e uma especificidade que varia entre 72 a 100% (média: 92%) no diagnóstico de neoplasias da tiroideia. Esta técnica reduziu as tiroidectomias devido a nódulos frios e aumentou o número de neoplasias da tiroideia diagnosticadas, sendo o método de eleição para a avaliação dos NT.

cancerdepancreas 180x180 - Cancro do Pâncreas

Cancro do Pâncreas

O risco de cancro do pâncreas é cerca de 2 a 4% aos 10 e 20 anos respectivamente, após o diagnóstico de pancreatite crónica.
A CPRE associada à TC tem demonstrado ser o método mais eficaz no diagnóstico diferencial entre PC e cancro do pâncreas. No entanto, na prática clínica é muito difícil confirmar o diagnóstico de cancro. A citologia esfoliativa (CPRE) e a PAF (EUS) não têm correspondido às expectativas e, por este motivo, tem havido uma tendência crescente na indicação para ressecção cirúrgica em caso de dúvida.