Artigos


Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseStartTag: invalid element name in Entity, line: 2 in /home/medicina/public_html/wp-content/plugins/wpex-auto-link-titles-master/wpex-auto-link-titles.php on line 30
shutterstock 87234430 1 180x180 - Intervenção Comportamental e Psicológica

Intervenção Comportamental e Psicológica

Na abordagem clínica preconizam-se dois tipos de intervenção: breve e intensiva.
Na intervenção breve (<10 minutos) a avaliação do uso do tabaco é realizada de forma rotineira por todos os profissionais de saúde (Figura 10.1). Qualquer contacto é aproveitado para identificar o fumador, realçar o problema e a importância da evicção, oferecendo soluções terapêuticas. Recomenda-se a adoção de uma postura segura, empática e promotora da autonomia individual. As cinco etapas principais de intervenção em cessação tabágica no contexto de cuidados de saúde primários (5 As) são: 1-Abordar de forma sistemática todos os utilizadores de tabaco acerca do seu consumo. 2- Aconselhar de forma clara, persuasiva e personalizada todos os utilizadores de tabaco a abandonar o consumo. 3- Avaliar a motivação para tentar cessar o hábito a curto prazo. 4- Ajudar na tentativa de abandono elaborando um plano (marcar o "dia D" para parar de fumar, informar família e amigos, antecipar dificuldades e planear soluções, remover produtos associados ao tabaco, fornecer material de auto-ajuda, propor terapêutica farmacológica) ou referenciar para uma intervenção intensiva. 5- Acompanhar e encorajar a abstinência através de consultas de seguimento e/ou contacto telefónico para prevenir recidivas. Nos utilizadores de tabaco que não desejam deixar de fumar devem averiguar-se as causas: podem não estar conscientes dos malefícios do tabaco, ter receios acerca das consequências da abstinência ou encontrarem-se desmoralizados por recidivas prévias. Existe a possibilidade de responder a uma intervenção motivacional, delineada para educar, assegurar e motivar (5 Rs): 1) Relevância - identificar os benefícios específicos da cessação tabágica para o próprio, família e terceiros. 2) Riscos - identificar as consequências negativas do uso do tabaco. 3) Recompensas - identificar os potenciais benefícios de suspender o uso de tabaco. 4) Resistências - identificar as barreiras ao abandono e apresentar soluções. 5) Repetição - repetir a tentativa de motivação em todas as consultas. A intervenção intensiva (>20 minutos, programada durante meses) engloba múltiplas sessões, em consulta específica e com uma equipa de profissionais treinados em cessação tabágica. Possui, habitualmente, uma maior taxa de sucesso na evicção. Indicada para fumadores motivados, com tentativas prévias infrutíferas, elevado grau de dependência da nicotina, intensa síndrome de privação, outros comportamentos aditivos ou situações particulares por exemplo, neoplasia do pulmão, cardiopatia isquémica, grávidas, etc). Envolve um programa completo (consultas e contactos telefónicos pró-activos, abordagem individual e em grupo) onde se estimula a mudança comportamental e a utilização de terapêutica farmacológica.

tabagismo 180x180 - Cessação Tabágica

Cessação Tabágica

O consumo e a dependência do tabaco constituem um importante problema de saúde pública, calculando-se que um terço de população mundial adulta possua hábitos tabágicos.
O relatório de Controlo do Tabaco, emitido pela Organização Mundial de Saúde em 2007, refere uma prevalência de fumadores na Europa de 40% no sexo masculino e 18% no feminino.
Em Portugal, os dados mais recentes, veiculados pela Direcção-Geral da Saúde, estimam a prevalência dos fumadores em 16,4%. O mesmo documento refere que 54% dos fumadores fizeram uma ou mais tentativas de evicção tabágica.

img como bajar de peso con fibra y agua 1048 orig 180x180 - Consumo de Fibra

Consumo de Fibra

O consumo de fibra, na alimentação diária, parece variar na razão inversa da formação de cálculos. Quer isto dizer que quanto menor for o consumo de fibra na alimentação da população, maior será a prevalência de doença litiásica. Há 300000 anos a ingestão diária de fibra pelo homem andava pelos 150 gramas, hoje recomendamos 25 a 35 g, mas a realidade é bem diferente pois a maioria das pessoas na nossa sociedade atual não ultrapassa os 10 a 15 g por dia.
Para justificar este achado, ligado a grande redução do consumo de fibra, vários mecanismos foram propostos:
– Ligação ou fixação do cálcio no intestino pela fibra.
– Redução do tempo de trânsito no intestino.
– Alteração do “ambiente” intestinal.
– Alteração da resposta hormonal.
– O aumento de fibra na alimentação diminui a ingestão calórica, entre outros.
O produto final da presença de fibra no intestino será a redução da excreção pelo rim de oxalato, cálcio e urato e um aumento do efeito inibidor da cristalização na urina. No entanto, uma revisão sumária dos trabalhos publicados não é suficiente para aclarar as vantagens e se, por outro lado, se encontram benefícios no consumo de frutos, vegetais e cereais ricos em fibra, é importante realçar que alguns destes produtos são ricos em oxalato, tais como os farelos de trigo. Independentemente de qualquer controvérsia que parece existir, admite-se como benéfico o consumo de fibra por variadíssimas razões, incluindo a prevenção da litíase, que hoje se enquadra dentro das doenças ligadas às doenças das sociedades da abundância.

alcool3 180x180 - Ingestão de álcool (Insuficiência Cardíaca)

Ingestão de álcool (Insuficiência Cardíaca)

O álcool pode ter um efeito inotrópico negativo e associar-se ao aumento da PA e arritmias.
—> A abstinência do consumo de álcool é fundamental na suspeita de miocardiopatia dilatada de etiologia etanólica.
—> A ingestão de álcool deve ser desaconselhada em todos os casos de IC, podendo aceitar-se o máximo de 10 a 20 g/dia (1 a 2 copos de vinho/dia).