Artigos

enxaqueca3 180x180 - Dor

Dor

Não há nada mais subjectivo do que a dor. Qualificá-la ou quantificá-la são tarefas impossíveis, apesar das múltiplas estratégias que se utilizam na prática clínica diária para o fazer. E se a existência do fenómeno doloroso está ligada à existência do próprio Homem – existe dor desde que existe vida humana – o primeiro gesto clínico que o Homem deve ter praticado terá sido, seguramente, a tentativa de a aliviar.
A IASP (International Association for the Study of Pain), em 1990, através de uma task-force nomeada para o efeito, enunciou e divulgou uma série de definições acerca da dor, para que todos os profissionais de saúde passassem a utilizar a mesma nomenclatura e uniformizassem o seu discurso.
Algumas dessas definições:
– Dor – é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com destruição tissular actual ou potencial, ou descrita em termos dessa destruição.
– Dor aguda – é uma dor de início recente e de provável duração limitada. Normalmente há uma identificação temporal e/ou causal.
– Dor crónica – é uma dor prolongada e persistente no tempo, normalmente com difícil identificação temporal e/ou causal, provocando sofrimento. Pode manifestar-se com várias características e gerar vários estádios patológicos.
A dor aguda é sempre um sintoma, conhecendo-se a sua causa e o momento do seu início, havendo uma expectativa previsível da sua duração. A forma mais paradigmática de dor aguda é a dor do pós-operatório, mas também é dor aguda a dor traumática, a dor de parto, a cólica renal ou os períodos súbitos de agravamento da dor crónica, entre outras.
A dor crónica é uma doença, podendo aparecer, associados, um conjunto de sintomas em que o principal, se assim o quisermos qualificar, é a dor. Tudo é difícil e subjectivo na dor crónica, desde a identificação da causa à precisão do seu início. A dor oncológica é a mais emblemática das várias formas de dor crónica, mas nem por isso a única nem tão pouco a que, necessariamente, coloca aos clínicos maiores problemas.

img como bajar de peso con fibra y agua 1048 orig 180x180 - Consumo de Fibra

Consumo de Fibra

O consumo de fibra, na alimentação diária, parece variar na razão inversa da formação de cálculos. Quer isto dizer que quanto menor for o consumo de fibra na alimentação da população, maior será a prevalência de doença litiásica. Há 300000 anos a ingestão diária de fibra pelo homem andava pelos 150 gramas, hoje recomendamos 25 a 35 g, mas a realidade é bem diferente pois a maioria das pessoas na nossa sociedade atual não ultrapassa os 10 a 15 g por dia.
Para justificar este achado, ligado a grande redução do consumo de fibra, vários mecanismos foram propostos:
– Ligação ou fixação do cálcio no intestino pela fibra.
– Redução do tempo de trânsito no intestino.
– Alteração do “ambiente” intestinal.
– Alteração da resposta hormonal.
– O aumento de fibra na alimentação diminui a ingestão calórica, entre outros.
O produto final da presença de fibra no intestino será a redução da excreção pelo rim de oxalato, cálcio e urato e um aumento do efeito inibidor da cristalização na urina. No entanto, uma revisão sumária dos trabalhos publicados não é suficiente para aclarar as vantagens e se, por outro lado, se encontram benefícios no consumo de frutos, vegetais e cereais ricos em fibra, é importante realçar que alguns destes produtos são ricos em oxalato, tais como os farelos de trigo. Independentemente de qualquer controvérsia que parece existir, admite-se como benéfico o consumo de fibra por variadíssimas razões, incluindo a prevenção da litíase, que hoje se enquadra dentro das doenças ligadas às doenças das sociedades da abundância.