Artigos

coçar os olhos 180x180 - O que não fazer (Emergências em Oftalmologia)

O que não fazer (Emergências em Oftalmologia)

– Não pressionar ou permitir que o doente esfregue os olhos.
– Não remover lentes de contacto excepto em caso de ocorrência de rápido edema ou se não for possível obter rapidamente auxílio médico.
– Não tentar remover um corpo estranho localizado na córnea ou que pareça estar inserido noutra estrutura ocular – procure auxílio médico.
– Não utilize algodão seco ou instrumentos afiados.
– Não tente remover um objecto parcialmente inserido.
– Não deixe uma queimadura infectar. Evite respirar ou tossir sobre a área queimada.

05 Neuronios 180x180 - Estado de Mal Convulsivo Generalizado - I

Estado de Mal Convulsivo Generalizado – I

É umas das poucas emergências neurológicas, com uma mortalidade que ronda os 20%, principalmente dependente da causa, duração e idade. São as graves alterações cerebrais, mas, principalmente, as complicações sistémicas (metabólicas, cardiorrespiratórias, renais e autonómicas), ambas consequência de atividade convulsiva prolongada, que condicionam o prognóstico. Classicamente definido como duas ou mais crises convulsivas generalizadas tónico-clónicas (CCGTC) sequenciais sem recuperação da consciência entre elas, ou uma atividade crítica contínua com mais de 30 minutos de duração, a tendência tem sido reduzir estes tempos a fim de se iniciar o tratamento o mais precocemente possível. Assim uma definição “prática” de EMCG é a actividade convulsiva contínua de mais de 5 minutos de duração, ou duas ou mais CCGTC, entre as quais a recuperação da consciência é incompleta.
Desta maneira, pretende-se controlar o EMCG nos primeiros 30 minutos.
Quanto à etiologia do adulto, aquele que trataremos, cerca de um terço deve-se a um agravamento de uma epilepsia preexistente por suspensão brusca da medicação antiepiléptica e/ou ingestão alcoólica concomitante, noutro terço constitui a manifestação inaugural de uma epilepsia, e noutro, finalmente, deve-se a uma causa aguda, sistémica (por exemplo, encefalopatia tóxico-metabólica), ou neurológica (AVC, tumor, encefalite, etc).

oftalmologia 1 180x180 - Emergências em Oftalmologia

Emergências em Oftalmologia

As emergências em Oftalmologia incluem:
– Lesões químicas. Nas queimaduras com ácidos, a turvação da córnea habitualmente desaparece, havendo fortes probabilidades de uma recuperação total. As substâncias alcalinas, como o hidróxido de sódio, apresentam riscos elevados de lesão permanente da córnea. Podem continuar a ocorrer danos apesar do tratamento imediato.
– Corpos estranhos. As lesões podem ser limitadas à conjuntiva e córnea ou podem afectar a esclerótica. Uma dor persistente e um olho vermelho indicam ser necessário procurar uma observação especializada. Um corpo estranho pode ser uma ameaça à visão se o objecto penetrar o globo, danificar a córnea ou o cristalino.
– Olho negro. Resulta, habitualmente, de um trauma directo da face ou do globo ocular.
Alguns tipos de fracturas do crânio podem causar hematomas periorbitários, mesmo na ausência de trauma ocular directo. Este tipo de hematoma resolve, habitualmente ao fim de 2 semanas. Com frequência, esta lesão acompanha-se de edema palpebral.
Por vezes, pode ocorrer uma lesão ocular grave. Hemorragias intra-oculares recorrentes podem causar diminuição da visão, glaucoma ou lesão da córnea.

oftalmologia 180x180 - Medidas Iniciais (Emergências em Oftalmologia)

Medidas Iniciais (Emergências em Oftalmologia)

– Corpo estranho – com frequência, o globo ocular é capaz de eliminar objectos de pequenas dimensões através do pestanejar e do lacrimejo. Se tal não acontecer:
1) Não esfregar os olhos. Lavar as mãos antes de examinar os olhos.
2) Examinar o olho afectado numa área bem iluminada. Para localizar um corpo estranho, pedir ao doente para olhar para cima, para baixo e para ambos os lados.
3) Se não resultar, puxar a pálpebra inferior para baixo para expor a prega entre a pálpebra e o olho. Se necessário, puxar para cima a pálpebra superior.
4) Se o corpo estranho estiver visível numa das pálpebras, tentar removê-lo com água corrente ou com um cotonete de algodão.
5) Se o corpo estranho estiver incrustrado no globo, cubrir o olho com um penso estéril ou com um pano limpo. Não tentar remover o objecto. Procurar apoio especializado.
6) Se o corpo estranho não for identificado ou se for removido, mas o desconforto ou a visão turva persistirem, cobrir o olho com um penso estéril ou com um pano limpo. Procurar apoio especializado.
– Objecto incrustado no globo ocular:
1) Não o remover. Não tocar nem exercer qualquer tipo de pressão.
2) Acalmar e tranquilizar o doente.
3) Cobrir o olho e procurar apoio especializado.
– Queimadura térmica:
1) Rodar a cabeça do doente de modo a que o olho afectado fique de lado e para baixo. Mantendo a pálpebra aberta, fazer correr água abundantemente durante 15 minutos ou até chegar apoio especializado. Pode ser necessário forçar a abertura dos olhos.
2) Se ambos os olhos estiverem afectados, ou se o produto químico estiver noutras partes do corpo, colocar o doente num chuveiro.
3) Remover lentes de contacto – mas apenas após a lavagem com água.
4) Cobrir ambos os olhos (mesmo se apenas um dos olhos estiver afectado) com um penso estéril e evitar o contacto com os olhos.
– Queimadura térmica:
1) Irrigar os olhos com água fresca para reduzir o edema e aliviar a dor.
2) Aplicar uma compressa fria sem exercer pressão.
3) Se a visão estiver afectada, procurar apoio especializado.
– Lesões cortantes ou contusas:
1) Se o globo ocular foi atingido, procurar apoio especializado imediatamente.
2) Aplicar Compressas frias suavemente para reduzir o edema e ajudar a parar eventuais hemorragias. Não exercer pressão.
3) Se existir hemorragia proveniente do globo ocular, cobrir ambos os olhos e procurar apoio especializado imediatamente.
– Erosões da córnea:
1) Não exercer pressão.
2) Procurar apoio especializado.

images 11 180x180 - Sinais e Sintomas (Emergências em Oftalmologia)

Sinais e Sintomas (Emergências em Oftalmologia)

– Hemorragia ou hematoma.
– Cortes ou feridas.
– Diminuição da visão; visão dupla.
– Olhos secos.
– Cefaleias.
– Prurido ocular.
– Dor ocular.
– Pupilas assimétricas.
– Vermelhidão.
– Sensibilidade à luz.
– Ardor e picadas.
– Sensação de corpo estranho.