Artigos

enxaqueca3 180x180 - Dor

Dor

Não há nada mais subjectivo do que a dor. Qualificá-la ou quantificá-la são tarefas impossíveis, apesar das múltiplas estratégias que se utilizam na prática clínica diária para o fazer. E se a existência do fenómeno doloroso está ligada à existência do próprio Homem – existe dor desde que existe vida humana – o primeiro gesto clínico que o Homem deve ter praticado terá sido, seguramente, a tentativa de a aliviar.
A IASP (International Association for the Study of Pain), em 1990, através de uma task-force nomeada para o efeito, enunciou e divulgou uma série de definições acerca da dor, para que todos os profissionais de saúde passassem a utilizar a mesma nomenclatura e uniformizassem o seu discurso.
Algumas dessas definições:
– Dor – é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com destruição tissular actual ou potencial, ou descrita em termos dessa destruição.
– Dor aguda – é uma dor de início recente e de provável duração limitada. Normalmente há uma identificação temporal e/ou causal.
– Dor crónica – é uma dor prolongada e persistente no tempo, normalmente com difícil identificação temporal e/ou causal, provocando sofrimento. Pode manifestar-se com várias características e gerar vários estádios patológicos.
A dor aguda é sempre um sintoma, conhecendo-se a sua causa e o momento do seu início, havendo uma expectativa previsível da sua duração. A forma mais paradigmática de dor aguda é a dor do pós-operatório, mas também é dor aguda a dor traumática, a dor de parto, a cólica renal ou os períodos súbitos de agravamento da dor crónica, entre outras.
A dor crónica é uma doença, podendo aparecer, associados, um conjunto de sintomas em que o principal, se assim o quisermos qualificar, é a dor. Tudo é difícil e subjectivo na dor crónica, desde a identificação da causa à precisão do seu início. A dor oncológica é a mais emblemática das várias formas de dor crónica, mas nem por isso a única nem tão pouco a que, necessariamente, coloca aos clínicos maiores problemas.

pulmoes2 1024x1004 180x180 - TBMR (Tuberculose)

TBMR (Tuberculose)

À semelhança do que se recomenda, na generalidade, para o tratamento das infecções por agentes resistentes aos antimicrobianos, o tratamento da TBMR deve ser individualizado de acordo com as características clínicas e microbiológicas de cada caso. No entanto, podem padronizar-se algumas situações, para as quais estão disponíveis recomendações específicas.
Devem incluir-se, inicialmente, 4-6 fármacos, dando prioridade aos que mantêm eficácia contra a estirpe envolvida e incluindo um fármaco injectável (estreptomicina, amicacina, canamicina, capreomicina) que deve ser mantido até 6 meses após a negativação das culturas.
Os exames directos e culturais devem ser realizados mensalmente até à negativação e o teste de sensibilidade aos antibacilares (TSA) realizado de 3 em 3 meses, considerando-se a possibilidade de falência do esquema instituído quando houver persistência da sintomatologia clínica ou da positividade dos exames microbiológicos. As estratégias de optimização do tratamento devem incluir a possibilidade de doseamento dos níveis séricos dos fármacos, bem como da sua tolerância clínica e laboratorial, com ajuste da dose ou do esquema terapêutico sempre que justificado. A importância da adesão ao tratamento justifica a recomendação da TOD neste contexto.