Artigos

Tratamento da hipertensão arterial 1361863427 74 2 180x180 - Tratamento da sépsis e falência multiorgânica

Tratamento da sépsis e falência multiorgânica

A sépsis é uma síndrome clínica que complica a infeção grave, caracterizada por inflamação sistémica e lesões de vários órgãos. Apesar da inflamação ser uma resposta útil do hospedeiro à infeção, a sépsis é hoje olhada como uma desregulação da resposta inflamatória normal, com ativação de neutrófilos e do endotélio vascular, e libertação maciça e descontrolada de mediadores pró-inflamatórios, criando uma cascata de fenómenos celulares e vasculares que levam à lesão tissular generalizada, à distância do insulto original.
Demonstrou-se que as lesões produzidas pela ativação da inflamação podiam complicar igualmente situações não infeciosas (pancreatite aguda, queimaduras, isquemia/reperfusão, ou trauma), pelo que se adotou o termo síndrome de resposta inflamatória sistémica (SIRS), mais abrangente e inespecífico, para denominar as consequências desta resposta inflamatória disfuncional, com ou sem infeção, que, se suficientemente grave e no hospedeiro predisposto, pode levar à síndrome de disfunção multiorgânica (MODS).
A sépsis afeta pelo menos 25% dos doentes internados numa UCI e a sua mortalidade pode exceder os 50%, quando acompanhada de choque séptico, tendo gravidade proporcional ao número de órgãos em falência.

comprimidos 180x180 - Prevenção dos fenómenos embólicos (Fibrilhação Auricular)

Prevenção dos fenómenos embólicos (Fibrilhação Auricular)

Têm indicação para anticoagulação oral todos os doentes com EM:
– e FA recorrente ou permanente.
– e episódios embólicos prévios.
– grave e com dimensão da aurícula esquerda superior a 50-55 mm no ecocardiograma.

53 Uveítis 180x180 - Causas e Riscos (Uveíte)

Causas e Riscos (Uveíte)

– Pode resultar de fenómenos atópicos, infecciosos, exposição a agentes químicos, trauma ou ser de etiologia desconhecida.
– Forma mais comum: uveíte anterior (afecta predominantemente a íris).
– Outras designações: irite; uveíte não granulomatosa. Associa-se a doenças auto-imunes (artrite reumatóide e a espondilite anquilosante).
– Pode ser unilateral; sendo mais comum em jovens na meia-idade.
– A uveíte posterior afecta a porção posterior da úvea envolvendo a coroideia, a retina ou ambas. Ocorre, habitualmente, após uma infecção sistémica. A toxoplasmose é uma das causas mais comuns de uveíte congénita. O processo inflamatório condiciona áreas de cicatrização que correspondem a zonas de perda de visão.

cefaleia cervicogenica 180x180 - Dor e fenómenos paroxísticos (Esclerose Múltipla)

Dor e fenómenos paroxísticos (Esclerose Múltipla)

—> Dor e fenómenos paroxísticos – dores paroxísticas, incluindo a nevralgia do trigémeo são muito frequentes em doentes com EM. A carbamazepina é em geral eficaz e continua a ser utilizada em 1ª linha. A gabapentina, a pregabalina, ou a lamotrigina constituem alternativas possíveis. As crises tónicas paroxísticas são posturas tónicas ou distónicas dum ou mais segmentos musculares, muito dolorosas e que se repetem com periodicidade variável. São muito incapacitantes mas respondem muito bem à terapêutica quer com antiepilépticos, quer com acetazolamida.