Artigos

macrocitosis 180x180 - Etiologia (Anemia Megaloblástica)

Etiologia (Anemia Megaloblástica)

– Deficiência de ácido fólico – por diminuição de ingestão (alcoolismo), mal-absorção, necessidades aumentadas (hemólise, gravidez), efeito de fármacos; pode instalar-se em semanas a meses.
– Deficiência de vitamina B12 – por diminuição de ingestão, consumo por parasitas ou infecção intestinal, insuficiência pancreática, gastrectomia, ileíte/ressecção intestinal, anemia perniciosa (a mais importante); geralmente demora anos na sua instalação.

Hereditary Spherocytosis smear 2010 03 17 180x180 - Esferocitose Hereditária

Esferocitose Hereditária

Conjunto de doenças genéticas diversas que têm em comum a alteração da estrutura de membrana, de que resulta uma fragilidade do eritrócito e hemólise. A anemia é habitualmente moderada, há frequentemente esplenomegalia e uma história familiar de anemia hemolítica. O diagnóstico é sugerido pela morfologia – esferocitose com Coombs negativo. O tratamento clássico é a esplenectomia, mas nem todas as formas de esferocitose necessitam de cirurgia (quando necessária, habitualmente há também indicação de colecistectomia).

globulos 180x180 - Défice de G6PD

Défice de G6PD

O défice de G6PD resulta em eritrócitos com reduzida capacidade de suportar stress oxidativo. Afecta tipicamente o sexo masculino, pode manifestar-se como icterícia neonatal, hemólise desencadeada por fármacos (sulfamidas, dapsona, ácido nalidíxico, nitrofurantoína, primaquina e outros>) ou infecções, favismo ou anemia hemolítica crónica não esferocítica. Laboratorialmente podem ser notados corpos de Heinz; o estudo enzimático deve ser feito fora de criise hemolítica para revelar o défice de G6PD. O tratamento inclui evicção de fármacos, hidratação e transfusão quando em crise.

medicacao para a diabetes tipo 2 2014 02 28 15 59 25 180x180 - Tratamento (Anemia Hemolítica)

Tratamento (Anemia Hemolítica)

– Identificar e tratar as causas quando existentes.
– Nos casos a quente, prednisolona 1 mg/kg/dia é o tratamento inicial e habitualmente resposta é obtida em 7-10 dias; o desmame deve ser feito ao longo de 2-3 meses
– A imunoglobulina e.v. (400 mg/kg/dia, repetida em 5 dias ou 1 g/kg/dia, repetida em 2 dias) pode ser usada mas com menos eficácia.
– A esplenectomia é uma opção nos casos de falência de corticoterapia.
– Rituximab 375 mg/m2, 1 dia/semana, repetido em 4 semanas pode ser uma opção em casos seleccionados.
– Nos casos a frio, os corticóides e esplenectomia são ineficazes.
– Rituximab ou plasmaferese podem ser eficazes.
– Aquecimento de doente, ambiente e transfusões são medida úteis para prevenir hemólise.
– Transfusões só devem ser usadas quando absolutamente necessárias devido ao risco de hemólise do sangue transfundido e risco de não detecção de aloanticorpos.

Anemias hemoliticas 180x180 - Anemia Hemolítica

Anemia Hemolítica

A anemia hemolítica, no geral, deve-se a destruição aumentada de eritrócitos (bilirrubina livre e LDH elevadas) e excedendo a capacidade de produção de novos glóbulos (reticulócitos aumentados); a hemólise pode ser extravascular (destruição no sistema mononuclear fagocítico e baço – anemia imuno-hemolítica a quente, esferocitose) ou intravascular (incompatibilidade ABO, anemia microangiopática, anemia hemolítica a frio, infecção eritrocitária). Nesta secção será abordada a anemia imuno-hemolítica por anticorpos a quente e a frio e na secção seguinte as outras causas.