Artigos

dormir bem1 180x180 - Perturbações do Despertar

Perturbações do Despertar

—> Tratamento não farmacológico:
• Evitar fatores precipitantes ou de agravamento em doentes suscetíveis, tais como recuperação da privação do sono, atividade física intensa, febre, ruído ambiente durante o sono e outros estímulos de natureza visual ou táctil, stress, ingestão de bebidas alcoólicas ou outras drogas/medicamentos depressores do SNC.
• Prevenir os possíveis riscos para o doente/acompanhante, retirando do quarto obstáculos e objetos perigosos e trancando portas ou janelas.
• Durante um episódio, guiar o doente calmamente até à cama sem o despertar.
• Tratamento de outra doença associada a aumento dos despertares/microdespertares (por exemplo, SÃOS (síndrome de apneia obstrutiva do sono). PLMS, crises noturnas, refluxo gastroesofágico).
• Para alguns autores são ainda úteis técnicas de relaxamento.
—> Tratamento farmacológico – em geral, e principalmente na criança, o sonambulismo e os terrores noturnos não necessitam de tratamento farmacológico. Contudo, este poderá estar indicado, principalmente no adulto, quando as manifestações clínicas são frequentes, intensas ou associadas a risco de traumatismo ou graves danos materiais.
Os fármacos mais usados são:
• Benzodiazepinas – clonazepam 0,25-2 mg/dia (1 hora antes do início do sono), diazepam 5 a 10 mg/dia, oxazepam 10 a 20 mg/dia.
• Antidepressivos – imipramina, clomipramina. paroxetina. Para alguns autores, a medicação antidepressiva, ao causar menos dependência, tolerância e sedação, deverá ser a primeira opção.