Artigos

piolho 180x180 - Pediculose Capitis

Pediculose Capitis

É a infestação do couro cabeludo pelo piolho da cabeça. O parasita é hematófago e alimenta-se no couro cabeludo e região cervical, depositando os ovos nos cabelos.
Pode ocorrer em qualquer grupo etário, mas é mais frequente nas crianças e no sexo feminino, pois o cabelo comprido das raparigas não só dificulta o tratamento como facilita a transmissão. Existem ainda factores individuais (atópicos?) que facilitam a infestação, uma vez que é comum a observação, no mesmo agregado familiar, de crianças que estão frequentemente infestadas a par de outras que raramente o estão. A transmissão faz-se através de chapéus, bonés, pentes e escovas, ou pelo contacto cabeça com cabeça.
Pode ser assintomática, mas na maioria dos casos provoca prurido acentuado nas regiões occipital e temporais. Podem observar-se escoriações e infecção secundária, associada com linfadenopatias occipitais e/ou cervicais.
No exame objectivo podem observar-se piolhos, geralmente em pequeno número (<10) e, sobretudo, lêndeas; estas são ovos do piolho fêmea, ovais, de cor branca acinzentada e estão fixas às hastes do cabelo. Como complicações, em regra em situações arrastadas, pode existir eczema das regiões occipital e nuca (secundárias ao prurido e à coceira), escoriações, crostas e impétigo do couro cabeludo, que podem ocultar os piolhos e lêndeas, dificultando o diagnóstico, e pápulas urticariformes, nas faces laterais da região cervical e nuca, resultantes das picadas do parasita.

sarcoptes galerias 180x180 - Escabiose

Escabiose

A escabiose (ou sarna) é uma doença parasitária causada pelo Sarcoptes scabiei, que vive e se multiplica apenas na pele humana. Penetra na pele pouco depois do contacto e escava galerias. A fêmea escava durante a noite e põe ovos durante o dia. Vive 4-6 semanas e põe 40-50 ovos, que eclodem ao fim de 72 a 96 horas.
O ácaro transmite-se por contacto directo com o parceiro sexual, com outros membros do agregado familiar, durante brincadeiras infantis, ou para o pessoal da saúde que trata doentes infestados. Pode ainda transmitir-se, indirectamente, através de roupas infestadas, pois os ácaros podem permanecer vivos nas roupas e leitos mais de 2 dias.
A institucionalização (lares da 3.ª idade, orfanatos, camaratas, etc.) constitui factor de risco para a escabiose.

Diarr 180x180 - Terapêutica (Diarreias Agudas e Crónicas)

Terapêutica (Diarreias Agudas e Crónicas)

A terapêutica antimicrobiana empírica nas diarreias infecciosas agudas é muito utilizada, dado que os resultados microbiológicos das coproculturas são geralmente morosos, não permitindo, nos casos de diarreia grave, aguardar os resultados e só depois tratar especificamente.
A terapêutica empírica inicial, quando justificável, deve ser efectuada com ciprofloxacina.
Perante uma diarreia que persiste para além das 2 semanas, deve pensar-se em giardíase ou amebíase e, após colher as fezes para pesquisa de ovos quistos e parasitas, prescrever empiricamente metronidazol.
Tratando-se de uma diarreia aguda sem febre e sem disenteria, podem usar-se medicamentos que diminuam o peristaltismo intestinal. Tendo em conta a segurança e a eficácia, recomenda-se nestas circunstâncias o uso de 2 mg de loperamida (Imodium), que deve ser tomada SOS e nunca deve exceder 16 mg/dia nem deve ser tomada por mais de 2 dias.
Independentemente do que atrás foi dito, pensamos que existem duas situações que devemos particularizar, nomeadamente, a diarreia do viajante e a diarreia por C. difficile.