Artigos

a a a foto de osteopatia 2 180x180 - Lesão da Placa Neuromuscular

Lesão da Placa Neuromuscular

—> Clínica – as principais queixas clínicas são a fadiga, ptose e diplopia flutuantes, por vezes disfagia e disfonia. Com frequência, a doença fica limitada aos olhos (miastenia ocular). Noutros casos, causa insuficiência respiratória durante um episódio de agravamento. Ocorre com mais frequência em mulheres jovens e homens após os 50 anos, sendo nestes a presença de timoma mais frequente, embora deva ser pesquisada em todos (TC do mediastino). A causa reside numa destruição imunológica dos recetores da acetilcolina da placa neuromuscular, desregulação imunológica em que o timo tem um papel importante. O diagnóstico diferencial pode estabelecer-se com a disfunção tiroideia, depressão ou outras doenças psiquiátricas em que o cansaço é o sintoma dominante, por isso devem ser valorizadas as queixas oculares.
—> Exames complementares – o diagnóstico pode ser confirmado pelo teste do Tensilon, o que corresponde à melhoria clínica durante a administração de 10 mg de edrofronium e.v. (2+3+5 mg, cada minuto, observando-se a resposta clínica), ou por um simples teste terapêutico (com piridostigmina oral ou prostigmina i.m.). A pesquisa de anti-corpos anti-receptor da acetilcolina indica, também, o diagnóstico, embora seja negativa em 50% das formas oculares. Em cerca de 40% das formas “seronegativas”, a pesquisa dos anticorpos anti-Musk é positiva, sobretudo nos casos de maior envolvimento bulbar. A estimulação repetitiva (sobretudo em músculos proximais) e o estudo do jitter (único método neurofisiológico útil nas formas oculares) são importantes auxiliares no diagnóstico. O estudo imagiológico do timo e da função tiroideia devem ser rotina em todos os doentes.

Right eye ocular larva migrans granuloma 180x180 - Causas e Riscos (Oclusão Arterial)

Causas e Riscos (Oclusão Arterial)

As artérias e veias retinianas podem ser bloqueadas por um coágulo, êmbolo de gordura ou fragmento de placa aterosclerótica. Doenças subjacentes: glaucoma, hipertensão, diabetes, perturbações da coagulação, aterosclerose ou hiperlipidemia.
A perda visual após oclusão venosa é variável. Podem estar presentes hemorragias. Nas oclusões arteriais ocorre sempre uma profunda perda visual. Existe ainda o risco de um AVC, dada a natureza do processo subjacente.

isquemia1 180x180 - Enfarte do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST

Enfarte do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST

O EAM com supradesnivelamento do segmento ST é a forma mais grave das síndromes isquémicas agudas. Estabelece-se quando uma severa e prolongada isquemia conduz a uma lesão irreversível da célula miocárdica.
O seu mecanismo fisiopatológico, semelhante ao da EMSSST, é a fissura de uma placa aterosclerótica de elevado conteúdo lipídico, com exposição de componentes altamente trombogénicos à corrente sanguínea. Esta exposição constitui o berço para a formação do trombo intracoronário, responsável pela virtual totalidade dos EAM com ST.
O tratamento de reperfusão – ICP ou fibrinolítico – não deve esperar pela receção das análises que confirmem a necrose miocárdica (troponina e/ou CPK-MB).


Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseStartTag: invalid element name in Entity, line: 1 in /home/medicina/public_html/wp-content/plugins/wpex-auto-link-titles-master/wpex-auto-link-titles.php on line 30
isquemia1 1 180x180 - Angina Variante (Prinzmetal)

Angina Variante (Prinzmetal)

Constitui uma forma de AI cuja apresentação electrocardiográfica se desenvolve com supradesnivelamento do segmento ST. O seu mecanismo fisiopatológico não é a fissura da placa e consequente trombose, mas sim o espasmo coronário. Esta forma de angina surge, regra geral, em repouso e sem causa precipitante, e responde por norma aos nitra» tos e aos antagonistas do cálcio. A obstrução dinâmica tanto pode surgir em coronárias angiograficamente normais, como, frequentemente, em placas não significativas (<70%) ou em estenoses importantes, pelo que a angiografia coronária está indicada na maioria destes pacientes.Terapêutica: AAS 75-325 mg/dia. Nitroglicerina/nitratos. Nitroglicerina e.v. na fase aguda; nitratos orais ou transdérmicos após a fase aguda e para prevenção dos episódios. Antagonistas do cálcio. Na fase aguda e na prevenção das crises: 1) amlodipina 5-10 mg/dia; 2) diltiazem 240-360 mg/dia; 3) nifedipina 40-120 mg/dia em 3-4 tomas diárias; particularmente eficaz se associada a nitratos orais; 4) verapamil 240-480 mg/dia. Se houver uma resposta incompleta com um antagonista do cálcio, pode-se associar a nifedipina com o diltiazem ou com o verapamil, além do nitrato. Cessação do tabagismo.