Artigos

IMAG0202 180x180 - Braquiterapia

Braquiterapia

Braquiterapia é a designação empregue para um tratamento no qual a fonte de radiação é colocada em contacto com o tumor. Na RT externa ou teleterapia a fonte está a 80 a 100 cm do doente. Os isótopos radioactivos mais usados actualmente são o césio (Cs), ouro (Au) e irídio (Ir). Estes isótopos têm semividas curtas e emitem radiação de baixa energia, o que facilita os processos de radioprotecção.
Os tratamentos de braquiterapia, também designados implantes, podem ser temporários ou permanentes. Os implantes temporários usam nuclídeos com semividas e energias mais elevadas, relativamente aos implantes permanentes. As fontes radioactivas estão disponíveis em várias formas de acordo com a técnica de aplicação: agulhas (implantes intersticiais temporários), sementes e fitas (implantes intersticiais permanentes ou implantes intracavitários ou endoluminais temporários). Dependendo da aplicação, podem ser usados nuclídeos com taxas de dose diferentes. Implantes com baixa (Cs-137: lcGy/min ou alta taxa de dose (Ir-192: lOOcGy/min) são tipicamente usados com técnicas de carga diferida (afterloading) em implantes temporários de curta duração (horas a dias).
Todas as fontes para implantes temporários são inseridas dentro de cateteres colocados dentro ou na proximidade do tumor numa pequena intervenção sob anestesia geral ou locorregional. Os cateteres são primeiro preenchidos por material inerte para simulação do tratamento e dosimetria. Após decisão sobre a taxa de dose e distribuição das fontes activas, o implante é carregado num local onde o doente está isolado. A carga de material radioactivo pode ser manual nos implantes de baixa taxa de dose. No caso da alta taxa de dose, a carga é sempre remota, usando sistemas de aplicação mecânicos ligados aos cateteres através de conectores específicos. Os dados do implante (número de fontes, tempo de circulação e permanência) são programados na unidade de controlo, que apenas é activada quando o doente está sozinho, minimizando assim os riscos de exposição profissional. .
Implantes intersticiais de baixa taxa de dose são usados em tumores da cavidade oral, orofaringe, sarcomas e próstata. Implantes intracavitários de baixa taxa de dose são habitualmente usados em aplicações ginecológicas (cancro do útero). A alta taxa de dose é usada com maior frequência nos tumores do fundo da vagina, esófago, pulmão, próstata e mama. A maioria dos tratamentos com alta taxa de dose podem ser efectuados em ambulatório ou com internamento de muito curta duração (1-3 dias).

sincrociclotroni protonterapie tavoli posizionamento robotizzati 70440 125603 180x180 - Protonterapia

Protonterapia

Os protões são uma forma de radiação com partículas, cujas possibilidades de uso clínico têm sido investigadas nos últimos anos. Os protões são administrados da mesma forma que os fotões e electrões, mas os equipamentos utilizados são ainda bastante complexos para uma utilização clínica de rotina, embora o número da aparelhos instalados esteja a aumentar de forma significativa. As áreas clínicas em que a protonterapia tem sido usada com resultados promissores são os tumores uveais, sarcomas da base do crânio e carcinomas da próstata, estando em curso estudos da sua aplicação em tumores de pulmão de não pequenas células, hepatomas e tumores dos seios perinasais.

radioterapia prostata 180x180 - Radioterapia (RT) em Cancro Avançado

Radioterapia (RT) em Cancro Avançado

Garantindo a maior inocuidade possível, planeado no contexto do status da doença global e seu performance status, deve o doente ter consciência de que o efeito paliativo da radiação pode levar alguns dia a ser alcançado.
As indicações da RT paliativa são:
– Metastização óssea, fracturas patológicas.
– Síndrome de compressão medular (é essencial a precocidade de actuação antes do desenvolvimento da paralisia instalada; a sobrevivência vai desde cerca de 7 meses em doentes ambulatórios a cerca de 6 semanas em doentes com grave compromisso neurológico).
– Metástases cerebrais caracterizadas por TC ou RM cranioencefálica (requerem sempre corticosteróides em simultâneo, como dexametasona 20 mg/dia).
– Carcinomatose leptomeníngea.
– Cancro do pulmão inoperável (NSCLC) com invasão mediastínica.
– Síndrome da veia cava superior.
– Neoplasia do esófago.
– Massa pélvica sangrante.

monoclonal antibodies 180x180 - Anticorpos Monoclonais

Anticorpos Monoclonais

Os anticorpos monoclonais têm em comum a estrutura e a forma de obtenção (anticorpo), mas têm mecanismos de acção muito diferentes. Podem ser usados isoladamente (associados ou não a quimioterapia citostática ou radiação) ou como veículo de radioisótopos ou produtos tóxicos. O rituximab foi o primeiro a ter indicação aprovada e usa-se no tratamento do linfoma não Hodgkin CD 20+(linfoma de células B). O trastuzumab é usado no carcinoma da mama Her2+; o alentuzumab é usado na leucemia linfática crónica CD 52+. Anticorpos como veículo de radioisótopos são ibritumomab no linfoma não Hodgkin CD 20+, o tositumomab no linfoma não-Hodgkin CD 20+. O bevacizumab – inibidor da angiogénese por via da sua ligação ao VEGF – é usado no carcinoma colorrectal metastizado (e também na mama, pulmão e rim). O cetuximab tem sido utilizado no tumor do cólon e nos carcinomas de cabeça e pescoço em associação a RT.
O panitumomab tem sido usado no carcinoma colorrectal metastizado.

Radiation therapy 180x180 - RT de Intensidade Modulada

RT de Intensidade Modulada

A Radioterapia de Intensidade Modulada, ou IMRT (do inglês intensity modulated radiation therapy) é uma extensão da RT conformacional, permitindo através da modulação da intensidade dos feixes de radiação utilizados uma conformidade superior do tratamento, principalmente em volumes de tratamento incluindo concavidades, principalmente quando nelas se encontram estruturas que queremos proteger. Para efectuar esta técnica são utilizados campos de radiação com múltiplos segmentos, ou seja, numa mesma localização são combinados vários campos com formas diferentes, de tal forma que a soma da radiação permite uma fluência de dose não uniforme. Estes diferentes segmentos são obtidos de forma relativamente simples usando aceleradores lineares com colimadores multilâminas. A combinação de várias incidências de campos deste tipo permite obter volumes de irradiação com formas extremamente complexas e quase sempre melhor adaptadas à forma complexa dos volumes de tratamento.
A RT de intensidade modulada tem actualmente aplicações clínicas comprovadas em tumores da próstata, pulmão, ginecológicos, digestivos, e as suas indicações continuam a aumentar suportadas pela comprovação da melhoria dos dois factores fundamentais em RT clínica: melhoria do controlo da doença pelo incremento de dose no volume tumoral e redução das complicações por redução no volume dos órgãos sãos adjacentes.

ACELERADOR LINEAR 708332 180x180 - Acelerador Linear

Acelerador Linear

Equipamento de eleição para administrar tratamentos de RT externa. Deve dispor idealmente de duas ou mais energias de fotões, para tratamentos profundos, e diversas energias de electrões, para tratamentos mais superficiais. Este equipamento é composto por sofisticados sistemas de produção e controlo de administração de radiação, equipamentos para posicionamento do doente, localização e verificação dos campos de irradiação. Ao acelerador linear estão associados:
—> Uma mesa de tratamento específica, onde o doente é posicionado.
—> Um sistema de lasers de localização.
—> Um sistema electrónico de aquisição de imagens em tempo real do campo irradiado.
—> Um sistema de vídeo em circuito fechado para vigilância do doente durante o tratamento.
—> Um equipamento computorizado de comando.
Inerente ao acelerador linear está um mecanismo de dimensionamento de campos, designado de sistema de colimação. Este sistema é composto por dois pares de blocos metálicos alongados, orientados perpendicularmente entre si e que permitem adequar o tamanho do campo de irradiação a cada tratamento. Dado que este sistema só permite campos rectangulares, outro sistema é necessário para conformar os campos de tratamento o mais possível às aplicações reais. Os sistemas actuais possuem para esse efeito um segundo sistema de colimação, composto por múltiplas (80 a 120) pequenas lâminas motorizadas, que permitem o tratamento de campos irregulares.
Ainda como parte integrante do acelerador linear, está o sistema de verificação de campos.
Este consiste num sistema de detecção de radiação, posicionado em face do feixe de radiação e com o doente em posição de tratamento, permitindo verificar num sistema computorizado a adequação entre os campos irradiados e os campos planeados. Mais recentemente estes equipamentos evoluíram para a chamada ‘imagem Volumétrica”, em que é possível adquirir no acelerador linear, em posição de tratamento, imagens idênticas às de uma TC, o que, por comparação com as imagens de planeamento, permitem um detalhe extremo na localização dos campos e estruturas a irradiar. Estes sistemas são vulgarmente designados por Radioterapia Guiada por Imagem ou IGRT (do inglês image guided radiation therapy).

img quais sao os sintomas do bocio 12121 orig 180x180 - Nódulo Tiroideu

Nódulo Tiroideu

Os nódulos tiroideus (NT) não são uma doença em si, mas antes uma manifestação clínica de um amplo espectro de doenças tiroideias. E assim podem ser classificados de acordo com as suas características.
A patologia nodular da tiroideia tem uma incidência de cerca de 4-7% na população, sendo mais comum no sexo feminino, em idades mais avançadas, em áreas com défice de iodo e após exposição a radiação externa.
O risco de carcinoma em nódulos assintomáticos (não expostos a radiação) é de cerca de 4%.
Há factores clínicos que apontam para uma patologia nodular benigna ou sugerem poder tratar-se de uma patologia maligna.