Artigos

cuidados paliativos imagem grande 180x180 - Cuidados Paliativos (CP) e Tratamento da Dor

Cuidados Paliativos (CP) e Tratamento da Dor

A medicina paliativa, no seu esforço académico actual, tem duas prioridades bem definidas. A primeira é a que diz respeito à expansão do conhecimento no controlo sintomático (tal como a abordagem da dor refractária intratável e outros sintomas relacionados com o cancro), a segunda diz respeito à transferência do conhecimento e à investigação em inovação da educação (nomeadamente no que tem a ver com a formação para a percepção do sofrimento e da morte, etapa essencial para o desenvolvimento do conceito de vida com dignidade).
Os cuidados paliativos, segundo a OMS (2002), começariam quando a cura já não é possível e definem-se como uma resposta activa aos problemas decorrentes da doença prolongada, incurável e progressiva, na tentativa de prevenir o sofrimento que ela gera e de proporcionar a máxima qualidade de vida possível a estes doentes e suas famílias.
São cuidados de saúde activos, rigorosos, que combinam ciência e humanismo.
Numa perspectiva mais recente pretende-se uma integração desde o início do diagnóstico da doença oncológica, num sentido cooperativo muito mais precoce. As perspectivas de mudança das necessidades dos doentes em diferentes fases da sua trajectória da doença obrigam a inter-relacionar conceitos de “terapêutica de suporte”, “cuidados paliativos” e “cuidados em fim de vida”.
As infra-estruturas organizacionais da prática de excelência destes cuidados requerem cooperação e coordenação com médicos de outras áreas (incluindo radioterapia, cirurgia, fisiatras, psico-oncólogos, anestesistas de unidade de dor e medicina paliativa bem como profissionais de enfermagem, assistência social, psicologia, terapeutas ocupacionais, agentes da pastoral, e outros.

a13fig2 180x180 - Classificação e Prognóstico (Mielodisplasias)

Classificação e Prognóstico (Mielodisplasias)

—> Classificação OMS – classificação baseada em morfologia de sangue e medula e cariótipo medular, inclui oito tipos:
• Anemia refractária;
• Anemia refractária com sideroblastos em anel;
• Citopenias refractárias com displasia multilinear;
• Citopenias refractárias com displasia multilinear e sideroblastos em anel;
• Anemia refractária com excesso de blastos tipo 1;
• Anemia refractária com excesso de blastos tipo 2;
• Síndrome mielodisplásica não classificada;
• Síndrome mielodisplásica associada a deleção 5q-isolada.
—> Prognóstico (sobrevivência e risco de evolução para LA) determinado por International Prognostic Scoring System- baseado em número de citopenias periféricas, percentagens de blastos na medula e cariótipo.

FOTO 10 VIC Estenose por Crohn 1 1 180x180 - Doença de Crohn refractária

Doença de Crohn refractária

A avaliação e o tratamento da DC refractária é semelhante à CU, com algumas excepções. A maior parte dos estudos têm apontado o consumo de tabaco como estando relacionado com a DC refractária.
Os doentes com DC, intolerantes, alérgicos ou que não respondam às tiopurinas, podem ser iniciados na terapêutica com MTX, eficaz na indução e manutenção de remissão.
Outra alternativa é a utilização de terapêutica biológica, eficaz na indução e manutenção da remissão. No caso em que os doentes com DC mantenham actividade da doença, apesar do uso das terapêuticas atrás mencionadas, a terapêutica cirúrgica deverá ser considerada.