Artigos

F1.large 4 180x180 - Diagnóstico (Trichomonas Vaginalis)

Diagnóstico (Trichomonas Vaginalis)

Secreção vaginal amarelo-esverdeada, fétida, com pH>5,0. Presença de Trichomonas móveis e elevado número de leucócitos na observação do exsudado ao microscópio.
Recurso ao exame cultural ou a técnicas de PCR. Podem encontrar-se clue-cells e teste de aminas positivo, devido à frequente associação a VB.

F1.large 4 180x180 - Sinais e Sintomas (Trichomonas Vaginalis)

Sinais e Sintomas (Trichomonas Vaginalis)

A imunidade local e a dimensão do inoculado influenciam o aparecimento de sintomas.
A infecção a Trichomonas pode oscilar entre a ausência de sintomas e uma doença inflamatória com sintomatologia como: desconforto pélvico, sensibilidade vulvovaginal aumentada, prurido, eritema vulvovaginal, disúria terminal, dispareunia e coitorragias.
Secreção vulvovaginal anómala, mucopurulenta, profusa e fétida. A observação ao espéculo pode visualizar-se eritema da vagina e colo uterino com aspecto em “morango”.

15212255 T45J4 180x180 - Trichomonas Vaginalis

Trichomonas Vaginalis

A tricomoníase é a doença de transmissão sexual, não virai, mais comum do aparelho genital com cerca de 120 milhões de mulheres com este diagnóstico por ano. A infecção a Trichomonas transmite-se quase exclusivamente pelo contacto/relações sexuais.
A Trichomonas vaginalis é um protozoário flagelado que se liga à mucosa vaginal e ingere outras bactérias. Está frequentemente associada a VB. Recentemente, foi relacionada com resultados adversos na gravidez (PPT, RPPM, RCIU), com facilitação na aquisição da infecção por VIH e com risco aumentado de celulite pós-histerectomia.
A morbilidade associada a esta patologia relaciona-se com a sua frequente associação à VB.