Artigos

5008 300 180x180 - Dose de diálise e diálise adequada

Dose de diálise e diálise adequada

Como qualquer terapêutica, a hemodiálise tem que ser administrada na dose apropriada o que é um dos fatores determinantes do sucesso da terapêutica e da sobrevivência destes doentes. Usamos como medida indireta dessa dose a depuração de uma pequena molécula, a ureia, e exigimos um mínimo de 12 horas semanais de diálise para assegurar que as moléculas tóxicas maiores são igualmente removidas.
Os métodos mais utilizados para avaliação da eficácia da diálise são a taxa de redução de ureia durante a hemodiálise (URR) e o Kt/V. Este é um índice em que K é a soma das clearances do dialisador ou do peritoneu e da clearance renal residual, t o tempo de tratamento e V o volume de distribuição corporal da ureia, considerado grosseiramente como a água total do organismo, isto é, 60% do peso do corpo. Atualmente é recomendada uma taxa de redução de ureia (ureia pré-diálise – ureia pós-diálise/ureia pré-diálise) de pelo menos 65% e um Kt/V alvo de 1,4/sessão (hemodiálise) ou 2xsemana (diálise peritoneal).
Quando pretendemos aumentar esta dose, devemos confirmar a boa qualidade do acesso vascular e colocação das agulhas, maximizar o débito de sangue efetivo no circuito extracorporal acima de 350 ml/min, e secundariamente aumentar a área do dialisador e o débito da solução dialisante até 800 ml/min. Aumentar o tempo de diálise ou o número de diálises por semana são provavelmente as medidas mais eficazes para aumentar a dose de diálise.

dolor piedras riñon renales calculos sin cirugia minima invasiva guadalajara 180x180 - ESTUDOS BIOQUÍMICOS

ESTUDOS BIOQUÍMICOS

Em obstruções significativas ou bilaterais é de esperar um aumento da ureia e da creatinina séricas (esta última com melhor correlação com a gravidade da lesão).
Podem surgir ainda alterações da capacidade de concentração de urina, condicionando a respetiva poliúria.
A existência de leucocitose levanta a suspeita de infeção. Pode cursar com anemia (hematúria ou insuficiência renal crónica).
Na análise de urina algumas alterações podem fornecer informação útil:
– Leucocitúria pode indicar inflamação ou infeção.
– Urina positiva para nitritos ou estearase leucocitária indica infeção.
– Eritrocitúria pode surgir em infeções, litíase ou tumores.

Struvit Guelleaufbereitung 180x180 - CÁLCULOS DE STRUVITE

CÁLCULOS DE STRUVITE

Os cálculos de struvite, frequentes no passado, vêm diminuindo nos nossos dias. Na sua génese estão as bactérias capazes de fazer o desdobramento da ureia, alterando o pH urinário, originando a deposição dos fosfatos.
O tratamento deve basear-se nos seguintes princípios:
1) Remoção completa do cálculo da árvore urinária.
2) Cura da infeção.
3) Correção de anomalias condicionantes de estase.
4) Identificação e correção de fatores de risco metabólico, quando associados.

0.24124600 1384820499 imagem13 180x180 - Abordagem Diagnóstica

Abordagem Diagnóstica

Quer em termos de conceito, quer como utilidade operacional, a classificação da AKI em pré-renal (efeito da hipovolemia sem lesão parenquimatosa, rapidamente reversível) e renal ou NTA (necrose tubular aguda) é atualmente obsoleta.
A AKI é caracterizada por uma acentuação da heterogeneidade funcional dos nefrónios, em que a apresentação fenotípica dos nossos doentes em pré-renal vs renal, ou oligúrica vs não oligúrica, resultam do seu posicionamento num determinado momento num função renal basal, intensidade e duração cos insultos à função renal e das terapêuticas a que já foi sujeito, como diuréticos ou depamina.
Indicadores laboratoriais, tais como o rácio ureia/creatinina, ou osmolalidade soro/urina, excreções fraccionais de sódio ou ureia, que pretendem testar se a função tubular estaria íntegra (lesão pré-renal) ou afetada (NTA , têm fraquíssima capacidade discriminante, mormente em doentes com sépsis, que recebem grandes quantidades de volume e.v., vasopressores e diuréticos, inquinando o significado destes índices laboratoriais.
Em resumo, a AKI é diagnosticada pela medição da creatinina. Infelizmente um marcador imperfeito, que, quando começa a elevar-se, em geral já se perdeu 50% da função renal basal, oscila com o metabolismo muscular e as variações do volume extracelular, tudo parâmetros muito instáveis nestes doentes.
A ecografia renal e vesical continua a ter um papel fundamental, devendo ser efetuada precocemente em todos os doentes suspeitos dos estádios iniciais de AKI. Permite, ao olhar para os rins, excluir obstrução, a presença de massas neoplásicas ou inflamatórias, litíase e, mais importante, afirmar se os rins já teriam falência crónica prévia. Para o operador mais experiente é ainda possível confirmar por Doppler se há fluxo nas duas artérias renais e as suas características.