Artigos

Screen Shot 2011 11 17 at 11.02.56 180x180 - Prognóstico (Neuropatia Óptica)

Prognóstico (Neuropatia Óptica)

As nevrites ópticas resultantes de herpes zoster ou lúpus eritematoso sistémico apresentam pior prognóstico do que outras formas de nevrite.

Herpes zoster 14 180x180 - Tratamento (Herpes Zoster)

Tratamento (Herpes Zoster)

O aciclovir e o valaciclovir estão indicados no tratamento do herpes zoster em doses mais elevadas do que no herpes simples da ordem dos 800 mg p.o. de 4/4 horas, 5xdia durante 7 a 10 dias para o aciclovir, ou 1000 mg p.o. 2xdia, durante 7 dias, no caso do valaciclovir. Contribuem para o encurtamento da doença, diminuição do número de complicações e, segundo alguns, embora tal não seja consensual, para a prevenção da nevralgia pós-herpes zoster. Pode ser usado profilacticamente em doentes com imunossupressão, com situações de elevado risco, como os receptores de órgãos transplantados, fases avançadas da síndrome de imunodeficiência adquirida, doentes com neoplasias medicados com imunossupressores, etc.
A brivudina é um análogo da timidina de administração oral, a qual, na dose recomendada de 125 mg/dia (toma única) durante 7 dias, se mostrou tão ou mais eficaz que o aciclovir ou o valaciclovir. Não deve ser administrada a doentes em tratamento com 5-fluoruracilo, pois pode potenciar a toxicidade deste agente quimioterapêutico.
Para além da terapêutica específica com aciclovir, é necessário tratamento sistémico, dirigido à dor, e tópico, para evitar a infecção secundária das lesões, o que é feito com antisséptico.
A atitude a tomar em relação à nevralgia pós-herpes zoster, relativamente frequente em doentes idosos, depende da situação clínica. Se não é muito intensa, e sabendo-se que tem geralmente tendência para melhorar com o tempo, é muitas vezes suficiente administrar analgésicos e aguardar. Quando intensa e persistente, alguns anticonvulsivantes têm-se mostrado eficazes, nomeadamente a carbamazepina. Em idosos, as doses devem ser inicialmente baixas, da ordem dos 200 mg/dia, aumentando sucessivamente de 2 em 2 ou de 3 em 3 dias 200 mg/dia até aos 800 mg. Logo que se observe resposta, devem ser reduzidas, também gradualmente.
A gabapentina pode também ser útil administrada em doses crescentes, que poderão chegar aos 3600 mg/dia, dependendo da eficácia e tolerância. Ainda os antidepressivos tricíclicos (por exemplo, a amitriptilina) têm, por vezes, resultados interessantes nestas situações.
Em caso de dores refractárias às terapêuticas referidas, deverão estes doentes ser referenciados a consulta hospitalar de dor.
Terapêuticas habituais, como a administração de altas doses de vitamina BI2, mostram-se inoperantes e sem interesse nesta situação.

Herpes zoster elbow 180x180 - Herpes Zoster

Herpes Zoster

O herpes zoster ocorre em indivíduos com história de varicela, que corresponde à primo-infecção pelo vírus. Este conserva-se acantonado nos gânglios nervosos sensitivos e, em situações cuja natureza não está esclarecida, retoma a actividade infecciosa.
A primeira manifestação da doença é, usualmente, a dor, que pode ser intensa e acompanhada de febre, cefaleias e mal-estar geral. Um a 3 dias depois surge a erupção cutânea localizada no trajecto de um ou mais nervos sensitivos e constituída, inicialmente, por pápulas eritematosas que rapidamente evoluem para vesículas e pústulas. As vesículas aparecem ao longo de vários dias e a doença cura completamente em 2 a 3 semanas, na criança, e em 3 a 4, em idosos. As variações do quadro clínico dependem da região nervosa atingida e, em 5% dos casos, pode observar-se envolvimento motor.
As complicações mais importantes são as lesões oculares e óticas. Em doentes idosos e em imunodeprimidos pode ocorrer generalização da doença (zoster disseminado), eventualmente com lesões sistémicas, por vezes encefalite, que pode ser fatal. A sequela mais frequente é a nevralgia pós-herpes zoster, cuja intensidade e duração são variáveis.
É rara na infância, aumentando a incidência com a idade.