fármacos
Terapêutica Médica (Arritmias)

A abordagem ao desenvolvimento dos antiarrítmicos foi, nos seus primórdios, o resultado da descoberta quase fortuita de uma ação antiarrítmica de compostos naturais ou sintetizados para outras aplicações. Esta constatação levou a diversos estudos animais e humanos que permitiram identificar o efeito benéfico das referidas substâncias na supressão das arritmias.
A procura subsequente de derivados com ação mais duradoura, menos tóxicos e mais potentes levou à síntese de moléculas aparentadas com estes compostos iniciais. Infelizmente, um eventual melhor perfil farmacodinâmico não conduziu a um avanço significativo nos resultados terapêuticos. O advento da biotecnologia molecular permitiu que o desenvolvimento e classificação das drogas fosse “orientado” para as estruturas envolvidas no processo patológico.
Na maioria das situações, o prognóstico das disritmias ventriculares está diretamente relacionado com a presença e gravidade de cardiopatia estrutural. O risco de morte súbita associado a disritmias ventriculares é substancialmente mais elevado na presença de disfunção sistólica grave do ventrículo esquerdo, insuficiência cardíaca, cardiopatia isquémica ou miocardiopatia. Sabe-se também que o risco major da FA na presença de cardiopatia orgânica é o de tromboembolismo sistémico, passando por isso a terapêutica por fármacos não exclusivamente antiarrítmicos.

Algumas Etiquetas


cirurgia de hemorroida,cricotomia,herpes génital,fissura anal,radioterapia,trinitrato de glicerina,urticaria,leucocitos 14000,meralgia parestésica,cirurgia de hemorroidas.

Tambem podera gostar -