med (2)
Terapêuticas Psicofarmacológicas

A era da moderna psicofarmacologia inicia-se nos anos 50 do século XX com a descoberta dos primeiros antidepressivos, neurolépticos e tranquilizantes benzodiazepínicos, assistindo-se na década seguinte a uma rápida expansão do uso dos psicofármacos, associada a um grande optimismo quanto ao seu alcance terapêutico. Desde então tem-se assistido a um processo contínuo que alterou profundamente a teoria e a prática psiquiátricas.
Na verdade, a psicofarmacologia modificou o panorama da psiquiatria, aumentando dramaticamente o sucesso terapêutico (tanto a eficácia terapêutica como o número de casos tratáveis), diminuindo a necessidade de internamento e inclusivamente facilitando intervenções de tipo psicoterapêutico e psicossocial. Noutro plano, tornou inúmeras situações psiquiátricas acessíveis ao médico não especialista, que passou a lidar com situações que noutras condições escapariam aos cuidados médicos ou seriam desnecessariamente referidas para serviços psiquiátricos.
Hoje em dia, a maioria das prescrições de psicofármacos são oriundas da clínica geral, sucedendo também que os psicofármacos têm indicações fora do âmbito da psiquiatria.
Neste contexto, afigura-se evidente que o manejo dos psicofármacos deve integrar a competência médica geral. Neste breve capítulo apresentamos uma revisão de aspectos farmacológicos e terapêuticos que consideramos relevantes para uma boa utilização psicofármacos, especialmente por parte do decisor terapêutico não especialista.

Algumas Etiquetas


cirurgia de hemorroida,cricotomia,herpes génital,fissura anal,radioterapia,trinitrato de glicerina,urticaria,leucocitos 14000,meralgia parestésica,cirurgia de hemorroidas.

Tambem podera gostar -