Nódulos das Cordas Vocais

Lesões geralmente bilaterais, mais frequentes em crianças e jovens, associadas a abuso vocal.
Manifestam-se por disfonia persistente. O diagnóstico é feito por laringoscopia indirecta.
A terapêutica cirúrgica é reservada para os casos refractários à terapia da fala.


Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseStartTag: invalid element name in Entity, line: 2 in /home/medicina/public_html/wp-content/plugins/wpex-auto-link-titles-master/wpex-auto-link-titles.php on line 30

Anemia Ferropénica

A anemia ferropénica é, em Portugal, a 1.ª causa de anemia e de patologia do GV.
O seu diagnóstico faz-se pelos exames básicos acima referidos – anemia com microcitose (VGM <80) e anisocitose (RDW >15) – a par da demonstração da ferropenia – sideremia baixa com transferrina alta ou normal, saturação de transferrina baixa e ferritina baixa; na ausência de doença inflamatória, infecciosa ou neoplásica, uma ferritina baixa é suficiente para diagnóstico. Queixas de astenia e alterações de faneras, sugerindo anemia ferropénica mas sem anemia, devem levar a procurar ferropenia e a tratar.

Ablação

A ablação percutânea de disritmias começou a ser desenvolvida na década de 80 em vários centros de electrofisiologia dos EUA e da Europa. O desenvolvimento da técnica resultou da identificação mais correta da origem e do mecanismo das taquidisritmias, resultante do uso das técnicas de mapeamento endocárdico. Inicialmente era utilizada a corrente elétrica direta (fulguração), que demonstrou bons resultados mas com morbilidade e mortalidades associadas. O início da utilização de energia de radiofrequência no final da década de 80 viria revolucionar o panorama do tratamento das taquidisritmias, por ser uma forma de energia titulável e extremamente segura. Este tipo de tratamento veio permitir a cura definitiva da maior parte das taquidisritmias supraventriculares e das taquicardias ventriculares em corações estruturalmente normais. A eficácia da ablação das diversas arritmias em centros especializados é muito elevada, com uma taxa de complicações extremamente reduzida, constituindo tratamento de 1ª linha em alternativa à terapêutica farmacológica na maioria das taquicardias supraventriculares, na presença de vias anómalas e no flutter auricular.